Coisas de Garotinho...

Em recente viagem fiz uma conferência para um grupo de evangélicos de vários países do Terceiro Mundo. Um africano, creio que do Quênia, fez um questionamento que poderia ter vindo de um brasileiro. Ele disse: "Um evangélico entra na política porque é uma pessoa de muitos dons e os outros acham que ele poderá ser a solução para os problemas da nação. E quando já está lá, ele perde completamente o contato com seu ministério anterior e a igreja o deixa pairando no ar. Ele perde a direção, pelo menos com relação à visão que tinha quando começou. Da mesma forma, pergunto até que ponto o dom carismático entra nisso, porque muitas vezes quem tem mais dons é o mais anti-democrático. Ele acha que ninguém mais pode tomar o seu lugar, e o povo diz que 'ele é o nosso homem', até que surja outra pessoa e ocorra uma divisão."
(Esta experiência e este texto original pertencem ao sociólogo Paul Freston).

Este é um exemplo da transferência de práticas do campo religioso para o campo político. Se temos na igreja este modelo de líder messiânico que pensa possuir todos os dons carismáticos em si mesmo (ao contrário do modelo neotestamentário que diz que todos os cristãos têm dons mas ninguém tem todos os dons, e por isso precisamos viver e presidir em comunidade), existe a tendência de transferir o modelo para a nossa ação política também."

Por que o cristão que entra na política tantas vezes "dá errado" depois? Claro que pode haver um problema individual: alguns candidatos são totalmente despreparados. Mas não devemos pensar essa questão em termos de falhas individuais. Há limitações da igreja que se revelam aqui. Na vida pública, as falhas da igreja se tornam muito mais visíveis.

Elas sempre existiram, mas eram mais privadas e quase ninguém reparava. A gente não "deu errado" de repente porque entrou na política. Sempre tivemos esses problemas mas não os enxergávamos. Isso porque trata-se de uma questão de poder. Quanto mais poder existe em uma situação, mais graves parecem ser os erros. Mas as tendências sempre existiram. A situação de poder apenas revela a verdade que não víamos antes. Portanto esses escândalos envolvendo o Antony Garotinho...ahh, coisas de garotinho...na fé e na vida!
Soli Deo Gloria - Pr. Bruno dos Santos

Nenhum comentário: