O "já" e o "ainda não"

Podemos definir conversão da seguinte maneira: Conversão é nossa resposta espontânea ao chamado do evangelho, mudando a nossa mentalidade (deixar de lado a forma de pensar segundo os padrões mundanos), e confiando plenamente em Cristo como um Deus pessoal.

Além disso, meramente conhecer os fatos e aprová-los ou concordar que eles são verdadeiros não é suficiente. Nicodemos sabia que Jesus tinha vindo de Deus, porque disse: “Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele” (Jo 3.2). Ele havia entendido, mas não haviam sinais de um arrependimento genuíno em seu coração.

O arrependimento é algo que ocorre em um momento específico do tempo, que não corresponde necessariamente ao momento da visível transformação no padrão de vida da pessoa. O arrependimento, assim como a fé, é um entendimento intelectual (de que o pecado é errado), uma aprovação emocional dos ensinos das Escrituras concernentes ao pecado (uma tristeza por causa do pecado e uma aversão a ele), e uma decisão pessoal de afastar-se dele (um renunciar ao pecado e uma decisão resoluta de abandoná-lo e de levar uma vida de obediência a Cristo).

Embora consideremos a fé e o arrependimento iniciais como os dois aspectos da conversão no começo da vida cristã, é importante compreender que eles não se limitam ao começo da vida cristã. Ao contrário, são atitudes do coração que continuam por toda a nossa vida como cristãos.

Paulo diz aos colossenses que eles serão salvos no último dia, “se é que permaneceis na fé, alicerçados e firmes, não vos deixando afastar da esperança do evangelho que ouvistes” (Cl 1.23).

O autor de Hebreus diz: “Nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos” e incentiva os seus leitores a imitar aqueles “que, pela fé e pela longanimidade, herdam as promessas” (Hb 6.12).


Os primeiros dois fatores de certeza da salvação têm que ver com a fé presente e a prova atual da obra do Espírito Santo em nós. Mas Pedro dá mais um tipo de teste que podemos fazer para verificar se somos crentes autênticos. (2Pe 1.10). Ele aconselha aos seus leitores acrescer à sua fé “virtude [...] conhecimento [...] domínio próprio [...] perseverança [...] piedade [...] fraternidade [...] amor” (2Pe 1.5-7). Depois diz que essas coisas devem existir nos seus leitores, “aumentando” continuamente (2Pe 1.8). Pedro ainda acrescenta que eles devem procurar “com diligência cada vez maior, confirmar a [...] vocação e eleição [deles]” e diz depois que “procedendo assim (literalmente, “fazendo essas coisas”, com referência às virtudes mencionadas nos v. 5-7), não tropeçareis em tempo algum” (2Pe 1.10).

O Conflito entre o que vemos e o invisível é o grande conflito da fé. Viver pela fé indica no fato de que não temos o futuro em nossas mãos, e por isso o entregamos ao único que é digno de dirigi-lo e sustentá-lo. Jesus Cristo. Por isso eu creio e permaneço crendo. Por isso a salvação conclui o “já” e o “ainda não”.

Nenhum comentário: