A verdadeira igreja apostólica não faz “apostolices”.

Hoje se fala muito sobre a restauração do movimento apostólico. Mas acredito que são poucos os apóstolos e cristãos que realmente entendem o que isso significa. Muitas redes surgem todos os anos com uma visão, com uma proposta muito mais pessoal do que bíblica, e a maioria destas redes ministeriais incorre nos mesmos modelos denominacionais e imperialistas, sem ao menos resgatarem a essência deste movimento que não pertence a nenhum ministério “especial”, mas sim a Igreja de Cristo na terra.

O movimento apostólico não é um movimento neo-pentecostal, nem uma moda pseudo-carismática como muitos teólogos gostam de afirmar. Sei que existem muitas barreiras em relação a este movimento. Mas a reforma protestante nasceu da quebra de estruturas mentais e religiosas. Mesmo assim o homem busca nominalizar e concentrar em si mesmo a glória.

Pedro jamais foi católico, Lutero nunca foi luterano, Calvino detestaria ser calvinista e a religião cristã não é batista, assembleiana, metodista, congregacional, pentecostal ou judaizante. O cristianismo sempre foi apostólico, e a ordem de Jesus aos discípulos foi: “IDE”. O comissionamento é a marca do verdadeiro cristianismo. Proponho algumas reflexões, do “porquê” creio ser o movimento apostólico, o movimento espiritual que antecede a volta de Cristo.

Por que creio no movimento apostólico?

1- O movimento apostólico é o retorno ao governo espiritual exercido sob a direção de homens e mulheres comissionados por Deus para exercerem uma visão missionária de alcance local e mundial sob a direção do Espírito Santo de Deus.


2- O movimento apostólico é o resgate da pureza nas Escrituras sem as tranças teológicas e existencialistas das lentes filosóficas. Homens inspirados comunicaram o Evangelho de Cristo, e homens inspirados hoje, devem guardar a ortodoxia destas mesmas palavras, como o apóstolo Lutero disse: “Sola Scriptura”.


3- O movimento apostólico é a quebra de todo paradigma e bula ministerial, promovendo a desconstrução dos impérios eclesiásticos pela proposta do Reino de Deus, fazendo das relações entre os homens a agência e força motriz da proclamação do evangelho.


4- O movimento apostólico é a confirmação da atuação do Espírito Santo entre os homens, pois, sinais, milagres e maravilhas são também evidências de que o Poder do Evangelho não atua somente em palavras, mas em ações e expressões carismáticas.


5- O movimento apostólico entende e compartilha da realidade da batalha espiritual contra principados e potestades, sem negligenciar a atuação social e a postura civil da igreja como uma organização administradora de dons e recursos entre os mais necessitados.


6- O movimento apostólico não é o privilégio de “ungidos especiais”, mas de homens experimentados na vida e no ministério que não possuam outra motivação que não seja servir e trabalhar pelo crescimento do Reino de Deus “entre” as pessoas e “nas” pessoas.


7- O movimento apostólico é permanecer no fundamento dos Apóstolos, buscando a fiel doutrina, a comunhão, o partir do pão e a oração como colunas para uma espiritualidade sadia.


Aos fundamentalistas de plantão: Sabemos que não existem mais Apóstolos como os 12 Apóstolos fundacionais e Paulo, em que a revelação das Escrituras aconteceu por inspiração do Espírito e suas palavras foram acrescentadas à nós como palavras de nosso Senhor através do Novo Testamento. Mas negar o exercício e a continuidade deste movimento no meio da igreja é negar a historicidade do cristianismo e do Evangelho entre nós. Afinal, os erros humanos não derrubam as verdades de Deus.


Hb 3:1 “Portanto, santos irmãos, participantes do chamado celestial, fixem os seus pensamentos em Jesus, apóstolo e sumo sacerdote que confessamos”.


À Ele toda a Glória

Pr. Bruno dos Santos

2 comentários:

Filipe Malafaia disse...

Quero dizer que gosto dos textos do Blog do Bruno, mas você comete um erro de grafia no fim de cada texto, quando escreve "À Ele toda a glória". Essa crase no A não procede, já que o "a" assume a função de preposição, podendo ser substituída por "para", não aceitando, portanto, crase. Mas o erro no uso da crase é recorrente, pois os brasileiros têm muita dificuldade em entendê-la. Um abraço, e fique na paz!

Rubens disse...

Ligar o movimento apostólico brasileiro ao '' Sola Scriptura'' é brincadeira. Bruno, você é teólogo e sabe das coisas. ''Sola Scriptura'' não é transferência de unção, quebra de maldições, prosperidade financeira, cair no Espírito e por aí vai. Sola Scriptura abrange somente questões explicitamente claras da Bíblia, sem margem a interpretações apóstólicas.