Para aqueles que leêm o Espírito da Letra.

Escrever nem sempre é pensar. Pois a lógica do meu raciocínio, muitas vezes me impede de ser sincero em meus escritos, mas sei que se escreve muito sem pensar e se pensa muito do que não se escreve.

Escrever portanto, dever ser o desossar da alma, o limpar das escamas, é a libertação das palavras que não possuem sonoridade, senão pela pena do escritor.

Escrever é buscar comunicar aquilo que já se não pode dizer, nem gritar. Escreve-se para os que lêem, pois os que não lêem não ouvem, e os que não ouvem jamais verão as letras.

A letra solitária mata, mas o Espírito da Letra vivifica, e é por isso que Deus escreveu com seus próprios punhos, o mais belo livro, com a mais bela história, e a mais lúcida poesia.

O livro que leio fala de amor, do início ao fim. Marcado pela dor, sofrimento, sacrifício e solidão. Esta é a história de Deus, esta é a história de Jesus, esta é a história de cada um que lê o Espírito da Letra.

Enfim, quanto tudo terminar, o que está escrito não passará. Aliás, passarão céus e terra, mas jamais passará aquilo que Deus escreveu com seu próprio sangue.

Por isso leio... e por isso também escrevo.

A Deus toda a Glória