O buraco do triunfalismo cristão

Eu não sei o que você sente em relação à Teologia da Prosperidade, mas eu vou lhe dizer o que eu sinto: ódio! Isso não é evangelho! E está sendo exportada deste país (EUA) para a Ásia e a África, vendendo um cardápio de benefícios aos mais pobres dos pobres. Eles dizem: “Creia nessa mensagem e seus porcos não irão morrer, e sua esposa não terá abortos, e você terá anéis em seus dedos e casacos nas suas costas”. Isso este saindo da América. Pessoas às quais nós deveríamos dar nosso dinheiro, nosso tempo e nossas vidas, invés de vender a eles um monte de esterco que eles insistem em chamar “evangelho”. E está é a razão pela qual a Teologia da Prosperidade é tão horrenda.

Qual foi a última vez na qual um americano, um africano ou um asiático jamais disse que Jesus é totalmente satisfatório por causa da BMW que possuía? Nunca! Eles dirão: “foi Jesus quem te deu isso? Eu aceiro esse Jesus!” Isso é IDOLATRIA. Isso não é Evangelho. Isso é colocar os dons acima de quem deu os dons. Eu vou te dizer o que faz Jesus parecer lindo. É quando você bate seu carro e sua filhinha voa através do pára-brisas… e cai morta na rua…e você diz, em meio a mais profunda dor possível: “Deus me é suficiente. Ele é bom, Ele cuidará de nós, Ele irá nos satisfazer, Ele nos fará passar por isso. Ele é nosso TESOURO. A quem tenho eu no céu além de Ti? E na terra, não há nada que eu deseje mais que a Ti. Minha carne e meu coração e minha filhinha desfalecem, mas Tu és a força do meu coração, e a minha porção para sempre.” Isso faz Deus parecer Glorioso. Como Deus. Não como alguém que dá carros, segurança ou saúde.

Oh, como eu oro para que Birmingham seja liberto de Teologias que enfatizam a saúde, a riqueza, a prosperidade; de fato, que a América seja liberto. E que a Igreja Cristã seja conhecida por SOFRER por Cristo.

Pregação na íntegra do Dr. John Piper.
Acesse o link: http://www.youtube.com/watch?v=PHvvhwlgL8Y&feature=related

Deus é mais glorificado em você quando você está mais satisfeito nele em meio à dor e pobreza, e não em meio à prosperidade.

O céu não é o limite.

Terminamos o culto deste domingo fazendo uma reflexão sobre o céu. Meditamos no capítulo 11 de Gênesis, que narra o episódio da torre de Babel. Ali vemos a busca incessante do homem em alcançar o céu, mas com motivações escusas. Cheio de orgulho e pretensões de tornar seu nome célebre. O homem tenta alcançar os céus com suas próprias mãos. Através de suas próprias obras, mas sabemos que o céu não se alcança. Até porque o céu não é um lugar geográfico para onde se vai.

Alcançar o céu não é nem deve ser uma preocupação nossa. Nossa missão está em alcançar a terra e enche-la do conhecimento da glória do Senhor, como nos diz o profeta Habacuque. Sempre que o homem procura alcançar o céu, ou é porque quer tornar seu nome célebre, ou é porque quer fugir de suas responsabilidades na terra.

Deus não nos criou angelicais, mas humanos, para que através desta nossa casa comum, possamos tornar o nome Dele conhecido entre os homens. Morar na terra, habitar na terra, e cuidar da terra, deve ser o dever de todo cristão.

Fomos chamados para transformar o caos em jardim do Éden, então o céu jamais pode ser o limite de nossas pretensões espirituais. Não morreremos para ir ao céu, mas viveremos para transformar esta terra em um pedaço do céu, pois céu é o lugar onde Deus habita, e o Deus que servimos se chama Emanuel, Deus conosco. Portanto o céu é aqui mesmo. Ele já está entre nós.