Não venda seu chamado pastoral

Existe uma demanda importante nos púlpitos das igrejas evangélicas. Deus procura líderes com caráter! Não apenas adoradores, mas verdadeiros adoradores, que O adorem em Espírito e Verdade. Líderes dispostos a investirem suas vidas e projetos pessoais na vontade do Pai e a seguirem os passos de Jesus. Homens e mulheres dispostos a pastorearem o rebanho de Deus. Paulo adverte os presbíteros de Éfeso dizendo: “Cuidem de vocês mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo os colocou como bispos a, para pastorearem a igreja de Deus, que ele comprou com o seu próprio sangue.” (At 20:28)

Cuidar do rebanho é uma prática ministerial inegociável diante de Deus. O VERDADEIRO PASTOR CUIDA DE SEU REBANHO. Não existem agendas, nem compromissos mais importantes que cuidar do rebanho ao qual Deus nos constitui bispos. Mesmo sabendo que nem todas as ovelhas vão responder com a mesma medida, ainda assim nosso compromisso está firmado com o Pai. Devemos cuidar do rebanho e isso é uma marca na verdadeira liderança. Nenhum ministério por maior que seja, pode abrir mão de relacionar-se com pessoas.

De acordo com o profeta Ezequiel, existem pelo menos cinco tipos de ovelhas que precisam dos cuidados pastorais hoje na igreja do senhor Jesus: “Vocês não fortaleceram a fraca nem curaram a doente nem enfaixaram a ferida. Vocês não trouxeram de volta as desviadas nem procuraram as perdidas. Vocês têm dominado sobre elas com dureza e brutalidade.” (Ez 34:4)

• Fortalecer a fraca – Ensino
• Curar a doente – Libertação
• Enfaixar a ferida – Aconselhamento
• Trazer de volta a desviada – Restauração
• Procurar a perdida – Evangelização

O trabalho pastoral está dividido em cinco áreas específicas: Ensino, Libertação, Aconselhamento, Restauração e Evangelização. Um verdadeiro pastor está disposto a envolver seu tempo e esforços no aprimoramento destas áreas em sua igreja. Assim seremos encontrados fiéis no desenvolvimento de nosso ministério.

Existe um sem número de pessoas aflitas nas igrejas, que se sentem atacadas, roubadas, amedrontadas, confusas, fracas e abandonadas. Que em si mesmas não possuem condições de levantar-se, de novamente erguerem-se. Jesus as enxergava com os olhos de Sumo Pastor, e chorava por elas, pois sabia que eram ovelhas sem pastor: “Ao ver as multidões, teve compaixão delas, porque estavam aflitas e desamparadas, como ovelhas sem pastor.” (Mt 9:36)

Sei que estamos vivendo um tempo difícil, tanto para pastores, como para ovelhas, mas nós pastores precisamos entender uma coisa, daremos conta de nossas ovelhas, daremos conta de cada vida que está submissa e faz parte do rebanho que Deus nos confiou. Não podemos ser pastores que matam, mas que promovem a vida. Seu chamado e sua igreja não estão à venda. Deus continua o mesmo, ontem, hoje e sempre!

Nenhum comentário: