Bem Vindo ao Blog do Bruno

VIVA COMO SE VOCÊ ESTIVESSE MORRENDO

Caso você não saiba, o dia te dá exatamente 86.400 oportunidades para você fazer valer cada princípio do Evangelho. Cada dia possui esse número de segundos.
Será que acreditamos que estamos desperdiçando tantas oportunidades assim?
Deveríamos viver a cada dia sabendo que estamos mais próximos da morte e isso significa mais perto de celebrarmos aquilo que alcançamos enquanto éramos vivos. Não falo aqui de prazeres, nem de materialismo, mas de vidas, de amizades que marcaram uma pessoa, de mudanças que você gerou em alguém que passou momentos com você.
Ir e fazer discípulos é uma ordem dada por aquele que tem o controle do tempo na mão, mas esse tempo está destinado para a produção e não para o desperdício.
No Reino de Deus nossa dimensão produtiva está relacionada diretamente com remir o tempo, com aproveitar as oportunidades e não deixar passar absolutamente nada que seja favorável para conquistar mais uma vida para o Reino de Deus.
Não sei se você já pregou ou falou de Jesus com alguém hoje? Mas enquanto você está lendo esta matéria, você está desperdiçando preciosos segundos de salvação.
É preciso lembrar que enquanto estamos divagando, outros estão morrendo, matando o tempo que os mata, levando-os mais longe do Criador.
Temos que viver como se estivéssemos morrendo a cada segundo, e saber que cada vez mais alguém em algum lugar morre longe de Deus. “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna...”(Rm 6:23)

Jesus não busca admiradores

Ao encontrar com Jesus, a maior dificuldade de um “seguidor” é deixar de ser um admirador, deixar de ser mais um que observa de longe, deixar de ser um simples expectador, um coadjuvante, para entrar no papel principal da grande trama espiritual, que é a vida renovada no Espírito. Jesus nos convida a sermos discípulos e não admiradores.
Muitas pessoas vivem desta mesma forma dentro das igrejas, dos templos ou mesmo das religiões chamadas cristãs. Vivem na marginalidade da fé. Faz parte, mas está com um pé aqui e outro lá. Um simpatizante que vive nas bordas do Cristianismo. Mas lembre-se, Jesus não busca admiradores.
É recorrente nos evangelhos ver como Jesus tinha uma parte de seu ministério onde lidava com as multidões. Mas ele não tinha grande expectativa nestas multidões. Apesar de chorar por elas, seu coração e esperança estava em doze homens que tinham largado tudo para seguí-lo. Ele lidava com os discípulos, de uma forma completamente diferente. Jesus não esperava nada daqueles que viviam na multidão, na platéia, como expectadores. Jesus esperava em seus discípulos uma atitude que mudasse toda uma realidade, apesar dos tropeços e falhas, cada discípulo foi um instrumento missionário à serviço do Reino de Deus.
Creio que o clamor de uma multidão não chama tanto a atenção de Deus, quanto o coração de um discípulo que o busca com inteireza. Deus não busca admiradores, mas discípulos, lembre-se sempre disso.