Odorico Paraguassu, Deus e as eleições 2010

Se hoje pensamos em um dos candidatos para presidência da república, veremos que não há mais nada novo à oferecer pelos políticos hodiernos. Qualquer campanha já nasce problemática, pois nenhuma novidade será mais redentora, antes a promessa está em baixar todo e qualquer índice de problemas endémicos, isto é, a política será sempre paliativa e jamais resolverá as necessidades sociais, é como abrir uma conta em um banco com milhões em vermelho, e tentar cobrir com algumas moedas mensais, deixando sempre um saldo devedor histórico para o governo seguinte. Política é o novo ópio do povo. É a arte da ilusão no exercício do governo.
De qualquer forma, caminhamos para o cumprimento da profecia do personagem de Odorico Paraguassu, que tinha como vedete de campanha, a construção de um cemitério na telenovela O Bem Amado, e ele fazia de tudo para que seus eleitores usufruíssem da obra. Enfim, ele administrava uma política de morte. E é essa a política que vamos ver nestas campanhas.
Mas não se desespere! O mundo caminha para a reta final, e não importa muito o político que lá colocarmos, pois ele(a) concordará com os ditames globais de economia, educação, políticas públicas e saúde. Mas Deus continua soberano sobre os governos mundiais, e a escolha de nossos votos não representa apenas e tão somente o exercício pleno da democracia, mas nossa escolha é na verdade a escolha de Deus, a Bíblia diz que ninguém assume um posto de autoridade, se o Senhor não o colocar lá (Rm 13:1).
Dentro do pensamento reformado, qualquer atividade humana só possui pleno sentido por estar de acordo com a vontade soberana de Deus. E a bíblia, nos confirma que o desfecho final e escatológico  da história humana, se dará com um tirano outorgado pelo próprio Satanás em um governo mundial e autoritário e me parece que ele fincará seu trono através deste mesmo voto democrático. Até lá, só nos resta orar e pedir que Deus ilumine a mente daquele que se assentar no trono de autoridade do Brasil.