27 de fev de 2011

QUAL A FORÇA DE UMA ORAÇÃO?

Acordar pela manhã, já é um bom motivo para orar. O homem que abre seus olhos de manhã, sabe que deve agradecer a Deus, pois há aqueles que não têm esta chance. Mas se tivemos essa chance hoje, devemos parar tudo que estamos fazendo e tirar um espaço do tempo para orar e agradecer a Deus.
Dizem os sábios cristãos, que a oração de um indivíduo tem a capacidade de alterar determinações divinas, maior é sua força quando se transforma em expressão dos desejos de um grupo. Orar só é bom, mas orar em grupo é melhor ainda! Por isso a igreja do primeiro século orava muito.
Sabemos que nada acontece sem o desejo de Deus. O homem, no entanto, pode alterar até decretos divinos de morte, doença e outras situações difíceis. Pois ao orar, o homem se modifica, eleva-se e aproxima-se cada vez mais de Deus. Na verdade não é Deus que muda seus decretos, mas o homem ao orar, muda seu comportamento, e este é o poder da oração. Ela não muda Deus, a oração nos muda. Ou seja, a oração é um sinal da humildade do ser humano, pois aquele que ora para pedir uma bênção sobrenatural, um conforto pessoal ou para agradecer, está consciente da grandeza e soberania de Deus. 
Ainda que um indivíduo não conheça as palavras corretas para uma oração perfeita, sua prece tem a força dos seus sentimentos e a sinceridade do coração. A oração é um trabalho feito mais com o coração do que com a boca. Os antigos  rabinos ensinam que a oração é uma escada: sua base está na terra e seus degraus se erguem até os céus, quando mais oramos, mais próximos estamos de Deus. A oração é a chave de muitas portas espirituais!
Apesar de ser uma prática diária, como Jesus nos ensinou, a oração jamais pode ser mecânica, pois ela deve estar dotada de impressões pessoais e percepções espirituais de uma realidade que só enxergamos pela fé. E por isso, neste caso, a oração de um justo, pode muito em seus efeitos. Pois o justo ora até que se materialize suas palavras, seja na realidade física, ou dentro de seu próprio coração confirmando seu pedido de fé.

17 de fev de 2011

ÓVNIS EM JERUSALÉM - REALIDADE APOCALÍPTICA?

Recentemente circula na internet um vídeo de uma possível aparição de um óvni em cima do templo mais sagrado do Islã, a mesquita de Omã, ou Domo da Rocha, como é conhecido. Eles foram filmados no dia 16 de fevereiro, por um fotografo israelense e por turistas americanos. Apesar de serem vinculados primeiramente na internet, os vídeos parecem bem reais.
Apesar das denúncias de falsificação, creio se tratar de uma aparição real. Todos que acompanham meu blog, livros e matérias ou entrevistas, sabem que acredito na existência de vida fora do planeta Terra, e que essas aparições alienígenas, nada mais são do que manifestações angelicais. Como “soa” antiquado pensar assim, as mentes racionalistas modernas adoram tratar essas aparições como casos de tecnologia avançada, mas são claramente manifestações ESPIRITUAIS.
No Oriente Médio está havendo um arranjo político para o enfrentamento contra Israel. Países como Egito, Barem e outros, estão vivendo um tempo de mudança para o estabelecimento de governos mais totalitários e fundamentalistas,  e creio que as regiões celestiais e territoriais do Oriente Médio estão em grande movimento pois estamos a caminho de mais sinais apocalípticos.

VÍDEO 1


VÍDEO 2

12 de fev de 2011

QUAL É A IGREJA IDEAL?

Quando alguém diz que devemos fugir de todas as receitas religiosas, ele próprio está prescrevendo sua receita sobre o que devemos fazer. É a própria contrariedade em pessoa. Vivemos em um país multicultural e multifacetado pela constituição da massa diluída em várias raças que no Brasil aportaram no passado. Não existe lugar no mundo com mais interrelação racial do que o Brasil.

Assim também é a igreja brasileira. Nossa diversidade cultural produziu nossa diversidade espiritual e denominacional. Tem igreja pra todos os gostos, jeitos, e públicos. E nesse caso não existe certo ou errado, mas quando me perguntam - Qual é a melhor igreja? Eu respondo - A que te faz alguém melhor!
A igreja não é só o lugar do encontro com o divino, é também o lugar de encontro com o outro, com o semelhante. A igreja é o lugar onde realizo a melhor integração relacional possível, pois na igreja eu me acho, porque acho quem é diferente de mim, e quando conheço outras pessoas, a mim mesmo vou me conhecendo, e quanto mais reconheço quem sou, mais vou conhecendo quem Deus é. Efeito dominó!
Por isso não existe igreja ruim, existe igreja que não se relaciona, ou não relaciona as pessoas entre si, e isso não é igreja, pois, quando estou em uma igreja assim, também não consigo me relacionar com Deus, lembremos o quê João nos escreveu? Se alguém afirmar: "Eu amo a Deus", mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ele nos deu este mandamento: Quem ama a Deus, ame também seu irmão (1Jo 4:20)
Desde o início a igreja teve que lutar menos com seus inimigos ostensivos, do que com aqueles infiltrados dentro dela. Existe muita falsa igreja por ai! Aquela que busca as multidões, os números, as coisas. Esse tipo de igreja não relaciona pessoas, ela “coisifica” o indivíduo fazendo ele perder sua identidade em meio a massa. Lá, eles só se conhecem como irmão, bispo, ou pastor, assim mesmo, sem “nome”, sem relação e sem compromisso com o jeito de ser no céu e com Deus. Esse tipo de igreja te faz pior, te desencontra! Quando você procurar uma igreja, jamais pense que a maior é a melhor, isso na maioria das vezes, não é verdade. 
Encontre uma igreja onde você possa ser você mesmo, com virtudes e defeitos. Afinal, você é um indivíduo em constante transformação. Quanto aos defeitos, eles são o espaço necessário para o Espírito Santo trabalhar, sem eles Jesus não pode se relacionar com você, lembre-se “que ele veio para os doentes” (Mc 2:17). Quanto as virtudes, desenvolva-as na igreja onde você está, ali é o espaço onde elas devem ser trabalhadas. Invista sua virtude na vida do seu irmão, e sem dúvida, sua igreja acabará sendo a melhor igreja que existe! A igreja ideal.

9 de fev de 2011

O VÍDEO DO "QUARTO CAVALEIRO DO APOCALIPSE" EXPLICADO!


Um dos livros que sempre gostei de estudar com cuidado especial é o livro de Apocalipse. Sua dificuldade interpretativa sempre me motivou a buscar os melhores tradutores e a ler os originais com devotada atenção. Um livro que fala dos últimos dias, um livro escrito para os nossos dias.
Recentemente o vídeo chamado “Suposto Cavaleiro do Apocalipse no Egito”, trouxe de volta a leitura profética e a curiosidade temporal do Apocalipse. Estamos mesmo no fim? Estão se cumprindo as profecias? Supondo que o vídeo não seja uma montagem, e que isso seja uma manifestação espiritual visível e real, creio que precisamos compreender algumas coisas bem importantes.
O que está acontecendo no Oriente Médio, em especial no Egito, e ao redor do mundo, nada mais  é que uma prova cabal de que as profecias estão cada vez mais próximas e presentes em nossa geração. Um breve passeio pelo texto de Lucas capítulo 21 diz o seguintes, nos versículos 11 e 12:
“Haverá grandes terremotos, fome e pestes em vários lugares, e acontecimentos terríveis e grandes sinais provenientes do céu. Mas antes de tudo isso, prenderão e perseguirão vocês. Então os entregarão às sinagogas e prisões, e vocês serão levados à presença de reis e governadores, tudo por causa do meu nome”.
Em nenhum outro momento da história vimos tão grande manifestação da natureza em proporções como temos visto nos últimos 10 anos. Além de vivermos sobre a maior perseguição missionária da igreja segundo o site Portas Abertas. Em nenhum outro momento o povo evangélico teve tanta participação política e influência partidária como em nossos dias, tanto no Brasil, como nos países onde existe liberdade de expressão religiosa. Isto significa que segundo as profecias ditam estamos vivendo tempos difícies, tempos de guerras civis, ajustes de poder, domínios culturais e porque não, tudo isso como manisfestações espirituais no tempo e espaço.
Os quatro cavaleiros, em minha simplória interpretação, são sistemas de domínio de massa comandados por Satanás quanto a destruição, e autorizados por Deus quanto a manifestação, para juízo do mundo todo. Estes sistemas ditam regras e leis, ajustando culturas e estabelecem domínios territoriais, levando a história para a proximidade do fim. Nesta caso o quarto cavaleiro possui uma característica única. Vejamos: 
Apocalipse 6: 8 Olhei, e diante de mim estava um cavalo amarelo. Seu cavaleiro chamava-se Morte, e o Hades o seguia de perto. Foi-lhes dado poder sobre um quarto da terra para matar pela espada, pela fome, por pragas e por meio dos animais selvagens da terra.
Recentemente uma estranha mortandade de animais tomou conta da última estação em várias partes do mundo. O número de doenças e enfermidades tem crescido assustadoramente, e o mais agravante tem sido a potencialização de novos vírus. Civis morrendo em manifestações, além de desgraças naturais como enchentes, deslizamentos, furacões, etc, estão matando aos milhares. O genocídio das massas tem crescido sobre a terra e isso é um grande sinal apocalíptico.
O mais surpreendente sobre a o quarto cavaleiro, é que a morte e o inferno possuem autoridade sobre 1,5 bilhão de pessoas. Essas pessoas morrerão separados do conhecimento de Deus. A característica desse cavaleiro é assustadora, ele possui uma cor verde-pálido (amarelado). A cor da desgraça. Em grego essa é a idéia expressa no original: (ίππος χλωρός, θάνατος - híppos khlōrós).
Isso nos leva a crer que é chegado o tempo da desgraça sobre o mundo que rejeita Deus. Os cavaleiros ceifarão a vida daqueles que desconhecem a Palavra de Deus e os seus atributos. Até mesmo os cristãos nominais sofrerão diante das calamidades mundiais que virão sobre a terra.
O espírito territorial que está sobre o Egito neste momento, é o mesmo que está sobre o caos civil instaurado em vários países, como norma e regra de vida. Não conheceremos, nem saberemos quanto Jesus voltará, mas ele enviaria sinais claros da sua volta. E os cavaleiros do Apocalipse são manifestações claras de nossos dias. Sim, estamos perto do fim.
Ainda que este vídeo da EURONEWS seja falso, o sinal deste vídeo é verdadeiro. Ainda que não haja um cavaleiro de verdade, há todas as prerrogativas dele, há guerra, há violência, há revolta, há desgraça, que é a cor do quarto cavaleiro. Oremos e esperemos o cumprimento dessas profecias. A ELE TODA A GLÓRIA! MARANATA SENHOR!

8 de fev de 2011

COMO O GOOGLE PODE AJUDAR O CRISTIANISMO?

Aproximadamente a duas décadas atrás começou a história de uma empresa que revolucionaria o nosso jeito de usar a internet. Larry Page e Sergey Brin, na época, dois estudantes da universidade de Stanford nos Estados Unidos, começaram algo que provavelmente eles não tinham noção do quão gigante seria aquela idéia e quais caminhos ela ajudaria a trilhar nas descobertas de quem a usasse. A partir de então, Google.com tornou-se o endereço mais conhecido e acessado do mundo virtual, onde milhões de pessoas encontram respostas para dúvidas e problemas dia após dia. É fonte de informação, pesquisa, notícias e curiosidades de todo tipo. 
Inicialmente, o projeto foi chamado de Backrub, para em 1998 ser registrado oficialmente como Google – o nome vem da palavra “googol”, que corresponde a um termo da matemática que designa um número 1 seguido de 100 zeros, e então a empresa tornou-se em pouco tempo o maior site de busca na internet lá nos idos do ano 2000.
A questão é que o Google é um empreendimento sério, feito, mantido e constantemente aprimorado por um time altamente qualificado de engenheiros e cientistas da computação. O nome Google ou o termo "googlar" não virou sinônimo de busca por uma jogada de marketing ou por um simples modismo, mas sim por se focar naquilo que oferece: a busca de informações que ajudam as pessoas. Um dos lemas da companhia é o slogan; “Don’t be evil” (não seja mau). Todo funcionário deve primar pela ética, bom senso e apoiar toda iniciativa que ajude e desenvolva melhoras para os usuários da ferramenta Google.
O mundo das informações na internet é tão complexo e abrangente, tão rico e diversificado, que seria impossível usar a internet sem um bom site de busca. O Google atualiza sua base de informações diariamente e sua eficiência de armazenamento é impressionante, uma vez que após um assunto estar na mídia, podemos consultar o Google sobre esse fato em qualquer computador do mundo para obtermos os links que nos levarão para a informação mais recente sobre aquilo que estamos consultando. Para se ter uma idéia da abrangência de uma ferramenta como o Google, na noite de 25 de Junho de 2009, a morte do cantor Michael Jackson foi consultado no site do Google perto de 1 bilhão de vezes, a ponto de ficar incapacitado por algumas horas de responder a quantidade de acessos. Naquele dia a mídia tradicional, tvs, rádios, etc, ficaram reféns dos sites e obviamente do google em sua pesquisa sobre a morte do cantor.

A TEOFANIA DO GOOGLE
Teofania é um conceito de cunho teológico que representa a manifestação de Deus em algum lugar, pessoa ou coisa. Este conceito foi estabelecido para explicar manifestações sobrenaturais que causaram espanto e contemplação em indivíduos que estabeleceram um relacionamento com Deus sem os pressupostos religiosos.
A partir deste conceito de Teofania pude perceber muitas características, obviamente numa dimensão menor, que fazem do Google uma ferramenta quase teofânica, uma espécie de Sarça Ardente do século XXI. A partir do Google podemos perceber conceitos presentes apenas no princípio divino ou na pessoalidade de Deus. Vejamos:
  1. O google é uma idéia muito próxima do que chamamos de onisciência divina, pois é o maior banco de informações armazenadas do planeta, o Google hoje é um amontoado de mais de 9,5 bilhões de documentos on-line.
  2. O conceito da onipresença parece ser uma das outras características do Google, assim como o conceito que temos de Deus que pode ser acessado de qualquer lugar do planeta, desde que haja “sinal” para esse acesso.
  3. O Google além de imortal, por não ser orgânico, pode considerar-se também infinito, é necessário apenas que mais computadores se conectem a ele e acrescentem mais e mais informações aos seus algarítimos que estão espalhados entre os seus servidores.
O que isso tudo significa? Que o Google pode ser uma ótima inspiração para a nossa espiritualidade. Que na verdade o princípio que organizou e desenvolveu o Google pode ser o princípio que desenvolverá o nosso jeito de divulgar e contextualizar melhor o Cristianismo.
Durante anos cristãos lutaram e pensaram em uma filosofia, a qual chamamos hoje de apologética, que gerasse respostas para as mais difíceis perguntas existenciais. Perguntas do tipo; Porquê existo? Deus existe? Quem é Deus? Foram e são temas que traduzem anos de debate, identidade, e principalmente uma profunda e sincera busca interior. Assim como o Google, a fé cresce e se desenvolve com base nesse anseio, nessa busca existencial de propósito e razão das coisas. O mais interessante é que o Google não possui respostas para essas perguntas. O "buscador" indica os caminhos e a pessoa inicia uma “jornada” em direção as repostas que procura. Isso também é o que temos de mais próximo com a proposta de Jesus nos evangelhos, a proposta do "IDE".
Fiquei admirado ao descobrir que quando digitamos a palavra “preciso” (em língua portuguesa), os complementos (aquelas palavras posteriores que aparecem abaixo do quadro da busca) estão relacionados com: preciso me encontrar, preciso mudar, preciso dizer que te amo, preciso de você, preciso de Deus, preciso desabafar..., ou seja, as pessoas acessam um buscador para resolver seus problemas existenciais e encontrar saídas para seus problemas pessoais. Isso é uma boa informação de alerta, mostrando que mais do que o Google, as pessoas precisam de Deus. Pense nisso...
(Quem procura, encontra... Mt 7:7)

3 de fev de 2011

EVANGELHO MCDONALD'S

O McDonald’s é uma das, senão a maior rede fast-food do mundo. São mais de 30.000 lojas em 120 países, e 50 milhões de clientes atendidos todos os dias. O seu negócio é vender pratos rápidos e saborosos. Os principais pratos do Mcdonald’s são criados com  estes dois princípios garantidos, agradar a maioria dos paladares e ser consumido de  maneira rápida.
Na verdade a padronização dos sabores e das opções passa a ser uma norma da cadeia de fast-food, que como em uma linha de montagem, faz com que em qualquer lugar do mundo seja servido exatamente o mesmo lanche. Podemos comer o número um no Brasil ou nos EUA, sem notar a diferença.
Da mesma maneira o conceito de “evangelho” que está sendo abordado por algumas empresas/igrejas de hoje, procura trabalhar um padrão de culto e pregação para suprir todos os paladares e ser consumido de maneira rápida.
O conceito é o mesmo da famosa cadeia de restaurantes, ser um negócio impessoal e lucrativo, atendendo o maior número de pessoas, sem contar se é saudável ou não, o que vale mesmo é a satisfação do cliente, que sai dizendo: “Amo muito, tudo isso!”
Estas redes de empresas/igrejas fabricam opções para o consumo espiritual atendendo as demandas de mercado. Por isso, é comum encontrar este evangelho “mcdonaldizado” em todo o canto. Alguns chamam isso de “avivamento”, mas a verdade é que essa onda nada tem a ver com uma Ação do Espírito, senão apenas a cópia de ferramentas pragmáticas, e que estão dando certo diante do grande público. As pequenas empresas/igrejas seguem a linha das grandes, e por isso algumas destas aberrações passam a ser copiadas nos mais distantes rincões religiosos.
Enfim, pra quem gosta de comida rápida e que não alimenta de “fato”, uma comida que apenas satisfaz o paladar e instiga a gula, tornando as pessoas inchadas e ao mesmo tempo desnutridas, estes incautos podem se satisfazer com o "evangelho mcdonald’s". Mas para os outros, aqueles que acreditam na saudabilidade de pratos mais convencionais, no nutrientes de alimentos naturais, e não industrializados, nada melhor do que o velho e bom “arroz com feijão”, isto é, o Evangelho de Jesus.

1 de fev de 2011

DEZ (10) COISAS QUE UM PASTOR NÃO PODE FAZER POR VOCÊ!

Gosto muito do número dez. Deus sempre usa o “dez” na bíblia para passar sua lista de coisas ou mandamentos que Ele espera de seu povo. Portanto aqui vai minha lista das “dez coisas” que espero das ovelhas que me ouvem, lêem e assistem minhas mensagens. 
É comum as pessoas nutrirem expectativas falsas sobre um pastor. O pastor muitas vezes, é visto como alguém que pode solucionar problemas insolúveis. Alguém que lhes dará uma resposta mágica ou fará uma oração do tipo “resolve tudo”. Mas isso é uma mentira. Pastores sofrem dores, perdas, possuem dúvidas e vivem dilemas, como qualquer pessoa, mas ainda assim, existe uma percepção falha daquelas pessoas que o rodeiam. 
Com o intuito de ajudar ovelhas perdidas, que buscam o pastor perfeito além de Jesus (que é o único), listei dez (10) coisas que um pastor não pode fazer por você. Vamos a lista:

1. Um pastor não pode tornar você alguém mais santo.
Isso mesmo! Santidade é uma colheita apenas de quem a planta. O pastor pode ser um homem santo e possuir uma igreja cheia de profanos. Pois a santidade é um estilo de vida que deve ser buscado por todos. O máximo que um pastor consegue é exortar a comunidade a entender o conceito da santidade exigida na Bíblia.

2. Um pastor não pode fazer de você alguém mais crédulo.
Fé também é um atributo que se aprende com o tempo, e vem das experiências pessoas. A fé do pastor não salva a sua igreja. Um pastor pode pregar sobre fé, possuir uma fé exemplar, mas ainda assim, a fé dele não altera a fé da ovelha. Cada um possui uma medida de fé, e ela deve ser gradativamente alterada pela busca pessoal.

3. Um pastor não pode tornar você uma pessoa mais sensata.
Como existe gente insensata dentro da igreja. Pessoas que tornam-se verdadeiros expositores da vergonha evangélica. Mesmo que o pastor aconselhe ou exorte, essa gente continua sem o senso de ridículo. Já me deparei com pessoas completamente destituídas desse senso, e que fazem parte de igrejas maravilhosas e bem estruturadas, mas mesmos assim, elas não mudam. Essa história de que cada pastor tem a ovelha que merece, é uma grande inverdade, pois muitos pastores não merecem certas ovelhas que tem.

4. Um pastor não pode expulsar de você os seus defeitos.
Muitos ministérios de libertação gostam de tirar demônios dos outros, mas quem é que tira os defeitos? Não existe ministério pra isso. Defeito de carácter só sai da gente com conversão verdadeira. É o trabalhar processual do Espírito Santo na vida da pessoa. Portanto não existem ministérios que fazem-nos pessoas melhores. Se todas as vezes que um pastor fala a verdade ou confronta alguém, essa pessoa sai da igreja, ela está indo cada vez mais distante de sua verdadeira conversão.

5. Um pastor não pode fazer você perdoar todas as pessoas.
Perdão é uma escolha, uma atitude pessoal. Não somos ensinados em como perdoar? Perdoamos e pronto! Se procurarmos razões para perdoar alguém, com certeza jamais encontraremos. Não perdoamos porque alguém mereça nosso perdão. perdoamos, porque entendemos o perdão de Deus que nós (também) não merecemos.

6. Um pastor não pode resolver todos os seus problemas.
Pastores sempre ficam na berlinda com a pergunta: “E ai pastor? O que fazemos?” Parece que o pastor é o cara que vai solucionar todas, e isso não é verdade. A resposta mais sincera que um pastor pode dar em casos extremos é: “Não sei, vamos orar mais um pouco?” Pois, nem tudo está ao alcance humano de um pastor. 

7. Um pastor não deve deixar você depender dele para os "seus" conflitos.
Um pastor jamais pode criar pessoas dependentes dele. Esse tipo de relação não é bíblica. Nutrir expectativas exageradas de uma pessoa sobre a vida de um pastor, é criar uma alguém inconsequente e imaturo. Cada um, diante de Deus, é responsável pelas suas escolhas.

8. Um pastor não tem todas as respostas.
É impossível que haja um pastor que saiba tudo. Caso ele(a) existisse, não seria pastor, mas um querubim ou serafim. Pastores não possuem todas as respostas sobre todas as coisas. Ele também é um ser humano em construção e incompleto.

9. Um pastor não consegue fazer você ler mais a Bíblia.
A leitura bíblica é uma disciplina pessoal. Ainda que o pastor conheça a Bíblia de capa à capa, a igreja pode ser uma grande ignorante da Palavra. A leitura é um devocional e que deve ser cultivado por cada um, independente de qualquer programa de leitura da igreja.

10. Um pastor não consegue acertar todas com você.
É isso ai! Pastor também erra, e pisa na bola as vezes, pois ele é constituído dos mesmos sentimentos e conflitos que suas ovelhas. Jamais espere que um pastor não tenha momentos de ira ou estravaze suas queixas. Pastor também fica estressado. Alguns grandes homens de Deus sentiram-se assim: Moisés, Elias, Josué, Pedro, Paulo, enfim, existem momentos em que um pastor vai errar e precisamos reconhecer que ele também é pó, como qualquer ser humano.  

COMPARTILHE

SAIR DA IGREJA LOCAL OU LUTAR POR ELA?

Há uma grande realidade acontecendo todos os domingos em milhares de igrejas no Brasil e quiça no mundo. Pessoas estão saindo de um mini...