A DESORDEM HOMOSSEXUAL É UM PROBLEMA TEOLÓGICO.

Há um anseio velado, escondido no coração de cada ser humano feito a imagem e semelhança de Deus, não importa sua condição social, sexual, religiosa, civil, etc. Fomos criados para conhecer e apreciar a Glória do Criador.
Existimos para proclamá-la, para provar dessa Glória a cada dia de nossa existência. Sim! Eu sei que estou trabalhando com o pressuposto da existência de Deus, e é sobre esse tema que reside toda rebeldia da criação: o “Conhecimento de Deus”. Nós reprimimos e desprezamos esse conhecimento, e a desordem e caos instaurado em toda a criação é a consequência dessa ação.
A desordem na vida sexual da sociedade é claramente exposta por Paulo na carta aos Romanos. (Rm 1:21-27)
Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.
E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.
Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.”(grifo meu)
Isto significa que ao trocar Deus por coisas banais, o próprio Deus entrega tais pessoas a uma desordem de valores e procedimentos que levam a uma vida de depravação. Quando o homem tem a capacidade de enxergar algo maior do que ele mesmo, neste caso Deus, seja através da Palavra ou das coisas criadas, o homem pode experimentar a cura da própria alma. O objetivo final do Evangelho é ver, mostrar e provar a Glória de Deus em Cristo. Ele é a imagem do Deus invisível (Cl 1:15)
A criminalização da sociedade instaurada pelo STF, ao considerar a homofobia um crime, é claramente uma arma contra os princípios teológicos da fé. Uma vez que toda argumentação filosófica sobre o tema se esvai diante da criminalização.
A própria natureza da criação afirma que existe apenas dois gêneros sexuais, homem e mulher. Não existe uma terceira via ou possibilidade. Ainda que os homossexuais neguem a Palavra de Deus, jamais poderão negar sua própria natureza. Mas por não conhecerem Deus, nem a sua palavra, jamais poderão compreender a sua própria natureza, e negam aquilo que são: homens ou mulheres.
Não adianta discutirmos a isenção ou validade da Pl 122. Essa discussão é teológica, não civil ou partidária. Ser homossexual não é uma opção sexual, mas uma convicção teológica. Todo aquele que nega sua própria natureza, nega obviamente a criação estabelecida pelo Criador. Nega o próprio Deus.

PODEMOS SER APENAS UMA COISA "SEM DEUS" - ORGULHOSOS!

O orgulho é um sentimento elevado (além da realidade) que a pessoa nutre sobre si mesma. Neste aspecto, o orgulho torna-se uma atitude negativa e destrutiva, pois eleva os valores da pessoa à um nível de inconsequentes resultados. O orgulhoso vive numa clara ilusão sobre si mesmo e sobre o mundo, fazendo com que sua vida seja baseada em sentimentos e conquistas falsas. O orgulho é o primeiro pecado mencionado na Bíblia. Ele sufoca, mata, destrói e derruba. A criatura orgulhosa acredita que pode viver sem a ajuda do Criador. 
Por isso o orgulho é uma das piores características do ser humano, a ponto de torná-lo desprezível aos olhos de Deus. Portanto o orgulho é um dos principais motivos que levam a pessoa a cometer transgressões graves na vida. O orgulhoso é alguém sem a “proteção Divina” e acaba se afundando em uma busca incessante de prazeres, desejos superficiais e escravo da sua má inclinação (carnalidade), passando todos os limites.
O orgulho em alguma forma é inerente a todos nós. Nenhuma criatura tem tantas razões para ser humilde quanto o homem; paradoxalmente nenhuma, possivelmente, possui tantas fontes de orgulho. O orgulho destrói a humildade, gera vaidade, transfere fé em Deus para fé em si mesmo. Existe no orgulho um senso de estar completo em si mesmo que destrói a base da espiritualidade, é por isso que o orgulhoso “não pode” ver a Deus. Sua sensação constante é: "Estou cheio e não preciso de mais nada”.
No AT, quando uma pessoa cometia um pecado ela precisava oferecer um sacrifício de um animal para expiar seu erro. No momento do abate do animal, a pessoa precisava colocar as mãos sobre o animal que estava sendo sacrificado e sentia, ao ver o sangue do animal sendo derramado, como se fosse seu próprio sangue que deveria estar sendo derramado por causa de suas transgressões. Deus, em sua infinita bondade, permitia que a pessoa poupasse sua vida através do sacrifício do animal. A principal motivação dos sacerdotes era que a pessoa refletisse sobre isso, e "quebrantasse" seu coração, se arrependendo dos erros cometidos e não voltar mais a errar. Esse arrependimento vinha junto com uma submissão ao Criador, que ajudava a pessoa a trabalhar seu orgulho, a verdadeira causa de suas transgressões. Esta foi a expiação de Cristo, precisamos de Jesus para retornar ao estado de humildade. Sem Ele em nós é impossível ser humilde.
A única solução para o orgulho é cultivar esta humildade de espírito, “porque deles é o reino dos céus”, como Cristo disse. “A soberba do homem o abaterá; mas o humilde de espírito obterá honra.” (Pv 29.23)