SÁBADO TEOLÓGICO - Você é nosso convidado


CLIQUE NO BANNER E TENHA TODAS AS INFORMAÇÕES

SAIA DA CRUZ! EM NOME DE JESUS! ...COMO ASSIM?

Infelizmente o tom produzido por pregadores evangélicos em muitos cultos hoje prestam um desserviço ao Evangelho de Jesus. Muitos escritores hoje induzidos a ter sucesso rendem-se ao mercantilismo gospel. Pastores comprometem suas igrejas e denominações em busca de uma lugar no “hall” da fama evangélica. Pregadores dantes bíblicos, agora alardeiam manuais de auto-ajuda para se tornarem populares. Adoradores que se tornaram artistas, com caches e assessores diversos, vendilhões do templo dos dias atuais. Enfim, um evangelho que nos convida à fugir da cruz, é o evangelho pregado em nossos dias. Desculpem minha indignação, mas este evangelho “vendido” hoje, é o evangelho diferente que Paulo alertou aos gálatas (Gl 1:6-10)
Esse evangelho que foge da cruz, é um evangelho que oferece mais ofertas do que demandas, prega mais o materialismo do que a espiritualidade. É o evangelho da graça barata, da realização pessoal em detrimento de tudo que a Bíblia ensina. Sermões baseados em uma “frase de efeito”, sem exegese, sem nenhum critério teológico, pautado nas emoções de um público cativo, enredado por uma pregador com um currículo de “animador de auditório”. Uma audiência viciada em novidades e modismos circunstânciais  que nega a cruz e é amicíssima do mundo.
Esse evangelho que nega a cruz, enche estádios, templos e salões de todo tipo, mas não é capaz de produzir gente transformada. Esse é o alvo do Evangelho de Cristo, a nossa transformação. Por isso só um existe um Evangelho, e um molde, Cristo, o qual devemos nos espelhar. Igrejas hoje são produzidas ao “gosto do freguês”, satisfazendo necessidades pessoais. Jesus jamais mudou um pequeno ponto de sua mensagem para conquistar seus ouvintes. Pelo contrário, eram os ouvintes que precisavam da mensagem, e não a mensagem de ouvintes.
Segundo a tradição popular, há um ditado que diz que “o diabo foge da cruz...”. Creio portanto que esse evangelho que convida a fugir da cruz, é um evangelho diabólico, e não o verdadeiro Evangelho. Usar Jesus para nos tirar da cruz e da necessidade de sermos transformados dia a dia é um recurso claramente mentiroso e demoníaco. Cuidado com esse tipo de evangelho, muito cuidado!

FOSSABOOK - REDES SOCIAIS SÃO UMA BENÇÃO?

Acredito que a cada dia o Facebook se torna a grande rede social entre as redes sociais existentes. Hoje ele possui mais de 400 milhões de usuários no mundo inteiro. Uma pesquisa recente mostrou que 40% desses usuários usam perfis falsos. Isto significa que uma boa porcentagem dos “amigos” que adicionamos, realmente não são quem dizem ser. Com estas pessoas que não conhecemos, compartilhamos fotos de nossas férias, filhos, casamento, enfim, uma série de informações pessoais que circulam livremente no Facebook.

Recentemente um pastor de Nova Jersey identificou casos de infidelidade entre os casais de sua congregação. Ele afirma que alguns maridos e esposas, através do Facebook, re-encontraram antigos namorados e a rede tornou-se uma porta aberta para reviver antigas paixões da adoslecência. Algumas pessoas nos EUA, também informaram que perderam vagas de emprego por causa do Facebook. Ao terem seus perfis pesquisados na rede, perceberam que informações que postaram lá, voltaram-se contra elas. As empresas levaram em conta informações e fotos que comprometiam o curriculum do candidato.

Enfim, o maior problema das redes sociais estão além da falta de privacidade. Quando usadas em excesso, elas deixam o indivíduo alienado. O risco de despersonalização é iminente de acordo com os estudiosos de psicologia. Muitos jovens possuem mais amigos virtuais do que reais. Muitos usuários acreditam que a existência virtual reflete a existência real e se eximem de autocrítica, vivendo uma vida paralela, acreditando que esta é a vida real.

Na verdade muitos perfis alegres e “interessantes” vivem numa fossa existencial real, isolados de tudo e de todos. As redes sociais possuem grande potencial quando usadas em movimentos de justiça social e opinião pública, mas como alvo existencial e rede de relacionamentos, creio que ela é péssima e esta longe de ser uma benção, criando seres “sociopatas”, por isso vemos constantemente crimes que começam na internet e acabam com vidas e sonhos frustrados. Se no mundo real somos capazes de esconder as nossas fraquezas e frustrações, o que somos capazes de fazer no mundo virtual? Acredito que esta deve ser a pergunta a ser feita, quando olhamos o perfil ou aceitamos alguém em nossa rede de amigos virtuais.