CARTA ABERTA AOS PASTORES DA VIDA NOVA

Quando cheguamos (eu e a Silvia) na Igreja Apostólica Vida Nova, éramos como algumas das ovelhas que lá chegam. Desconfiados, machucados e marcados pela ingenuidade, imaturidade, preconceitos e religiosidade que praticávamos, oriundas de outras experiências, de outros ministérios, de leituras particulares, tentando encontrar culpados para o momento em que atravessávamos, mas no fundo sabíamos, éramos terra seca.
Lembro-me de uma tarde de libertação no escritório da igreja, em que participei, junto com minha esposa, e com eles, então para nós ainda “desconhecidos”, Willy e Janete. Enquanto nos ouviam, nossos demônios e temores, saíram pelas lágrimas de amargura e tristezas destas experiências passadas. Ali começou uma jornada rumo à uma Vida Nova, não falo de uma igreja, mas da experiência de fazer parte de uma família. Choraram conosco, lutaram conosco e se alegraram conosco. Achei que não encontraria mais verdadeiros pastores, mas sim, eles existem! 
Logo então fomos levados à conhecer um casal de pastores, que possuem um ministério de intercessão muito bem estruturado, e claro, mais uma surpresa, aprendemos que pastor também ora, e é nesse pilar que fazemos um verdadeiro ministério! Oração na VN é levada a sério. E aprendi que a oração é o fôlego da alma na vida de um pastor. Conhecemos o Paulo e a “grande” Dinéa, que força que eles deram pra gente! E aprendi que existem amigos de verdade, e em alguns momentos, são mais chegados que irmãos.
Logo em seguida, conheci o corpo de pastores da VN. O pastor Airton, nosso grande contador de histórias muito boas de ministério. O pastor Domiciano Andrade, que coloca seu sobrenome em todo mundo, porque perto dele a gente se sente da família. O pastor Silvio que batalha firme pra cada membro da igreja aprender mais sobre a Palavra de Deus. O pastor Marco Antonio Duarte (guarde esse nome!) que é o delegado de polícia mais “pastor” que eu já conheci na vida. 
Os pastores de jovens, Roberto e Simone, que ajudam os pais da igreja a serem pais de filhos melhores. Os pastores Wagner e Fabrícia, que proporcionam nada menos que um “Encontro com Deus” aos novos membros da família VN. Aos restauradores, pastor João e pastora Ana Amélia, que toda “segundona” a noite, ministram vidas e restauram histórias naquela igreja. A pastora Cristina, que cuida com afinco das células nos lares, a pastora Nira que assiste as necessidades daqueles que quase ninguém assiste.
Aos pastores Geraldo e Vânia, que cuidam dos casais da nossa igreja. Aos pastores Edgar e Rita pelo ministério de Adoração da VN. Aos pastores Marcos e Arlete  responsáveis pela cantata mais famosa da Mooca, e que tornam o nosso culto possível  e perfeitamente audível. Aos pastores Walter e Marisa, que ensinam a gente a cuidar de uma parte importante das nossas vidas, nossas finanças. A pastora Nazaré, enfermeira de corpos e de almas na Vida Nova. E claro, não podia esquecer de jeito nenhum, dos pastores: Neiva, Dora, Seitiro, Olga, Magali, Marcelo e Ana (quase lá), essa gente faz a gente querer ser bons pastores. Se esqueci de alguém, perdoem-me...
Escrevi esta homenagem porque esta semana é comemorada o DIA DO PASTOR. Dia 10 de JUNHO. Tenho o privilégio de fazer parte deste time. Valeu galera. Sigamos em frente. Nosso Sumo Pastor, Jesus de Nazaré, merece o melhor desta terra. Vemos longe, porque estamos apoiados em ombros de gigantes. Deus os abençoe ricamente.