LEIA ESTA HISTÓRIA - GASTE APENAS 1(UM) MINUTO - E EDIFIQUE A SUA FÉ HOJE.

Estou dando um novo curso no IEV, chamado ANATOMIA DA ALMA, um curso que fala sobre a razão da existência, espiritualidade, etc. E por duas vezes, em turmas diferentes surgiu a mesma pergunta: E quando uma criança nasce com câncer? Por que Deus permite uma maldição desta?

Obviamente, a pergunta feita pela ótica de um aluno, possui a simples constatação dos fatos, ou como diz Leonardo Boff: “é o ponto de vista pela vista a partir de um ponto”. Sim,  em um mundo criado por um Deus justo e bom, uma criança pode nascer com uma doença grave e rara. As vezes um pastor responde à pergunta, enquanto Deus sempre responde à pessoa.

Quando li: “Quando coisas ruins acontecem a pessoas boas”, do Dr. Harold Kusnher, um rabino que passou por grande sofrimento ao lado da esposa e que conviveram com o nascimento de seu filhinho, portador de uma doença rara, a progéria, isto é, uma doença caracterizada por uma velhice precoce.  A criança tem a pele toda enrugada, a face envelhecida, é um quadro profundamente traumático. 

Em sua experiência, o rabino aborda a seguinte reflexão: “Não é Deus, necessariamente que causa uma tragédia, a doença e o sofrimento são aleatórios no universo e a natureza destes acontecimentos é moralmente cega. Um terremoto não distingue entre pessoas boas e ruins, nem um câncer ou um derrame cerebral.  Nem mesmo a progéria.  Não são os atos de Deus que são determinantes e sim o acaso da natureza de um universo complexo e cheio de possibilidades.”

Sei que isso não é exatamente uma reposta, mas “outro” ponto de vista. Afinal existirá uma resposta plausível? Creio que não, mas a “não resposta” é exatamente a motivação que precisamos para viver momentos de intensa angústia com a máxima fé, e é ai onde quero chegar.

Encontrei um caso interessante na internet, da pequena Manu, que desde os 3 meses de idade, luta contra uma doença chamada; Histiocitose de Células de Langerhans. Desde então ela faz quimioterapia. Aos 6 meses ficou 45 dias lutando bravamente na UTI do GAAC, e continuou o tratamento entre várias idas e vindas da doença, hoje aos 3 anos de idade, está praticamente curada. A foto acima, foi tirada ao completar 7 meses de acompanhamento da doença, sem a necessidade da quimioterapia, e convivendo em sua casa junto com a família.

Bem; pessoas morrem em todo o tempo, de doenças, inanição, descaso público, guerras, violência, etc. São as vítimas do nosso jeito de ser sociedade. Mas isso classifica o mundo em que vivemos, e não o Deus em quem cremos. Não porque Ele esteja distante, mas porque o mundo vive distante e alienado de Deus. A Manu é um milagre, uma amostra de quê coisas ruins servem de argamassa para o milagre de Deus.

Certa vez Jesus foi questionado pelos discípulos por causa de um cego de nascença (Jo 9:2), e qual foi a sua resposta? Que nem todo sofrimento está relacionado com castigo, e o sentido real da vida está relacionado coma reflexão sobre cada fato que acontece em nossas vidas. Jesus respondeu, que "aquele homem era cego para manifestar as obras de Deus" (Jo 9:3).

A Manu, assim como tantos outros nascem para que as Obras de Deus, através de homens, mulheres, sacerdotes, médicos, empresários e pessoas anônimas, se manifestem, e que crianças como ela, sejam instrumentos coloridos de esperança e alegria em mundo tão cinza como o nosso.

A Onipotência de Deus não obedece aos planos humanos, nem segue as projeções da lógica pensante do homem. O fato é que Deus submete tudo e todos a sua infinita sabedoria, inacessível para a mente limitada e limitadora das nossas convicções, mas que diante das adversidades da vida, consegue acreditar que o impossível para nós, é possível para Ele.

Nenhum comentário: