JESUS... CASADO?

“Se Jesus tivesse sido casado com alguém, isso só o tornaria um homem ainda mais santo” - Mais uma vez, é em tom de brincadeira que recebo a notícia da idéia de Jesus ser casado com Maria Madalena e ainda ter dois filhos.

Esse evangelho “perdido”, declarado pela Biblioteca Britânica como um documento importante por ter mais de 1500 anos e estar escrito nas línguas bíblicas originais, e seus pesquisadores, o professor Barrie Wilson e o escritor Simcha Jacobovic (é óbvio que isso se transformou em um livro - The Lost Gospel / O Evangelho Perdido, em tradução livre), passarem meses traduzindo os manuscritos não é o primeiro a fazer esta declaração. O Evangelho de Filipe, apócrifo escrito no século 3, já declarava histórias desse suposto namoro entre Jesus e Maria Madalena.

Nikos Kazantzakis, ao escrever, “A última tentação de Cristo”, em 1953 e recentemente as ficções de Dan Brown, como o famoso “O Código Da Vinci”, fazem a mesmíssima alegação sobre Jesus ser casado com Maria Madalena. Aliás teoria abertamente defendida pelos teóricos da conspiração, maçons e outras linhas especulativas que dizem que os evangelhos canônicos escondem muitas coisas. 

Não tenho nenhum problema, como teólogo, de aceitar o fato de Jesus ser "casado". Aliás a Bíblia afirma categoricamente que Jesus possui uma noiva, uma esposa. Mas ela não se trata de uma mulher, muito menos de Maria Madalena, que foi uma grande seguidora de Jesus, mas da sua Igreja, a Igreja de todos os cristãos, de todas as épocas, conforme podemos ler em Apocalipse 21:9. É óbvio que Jesus manteve-se celibatário pelo compromisso de sua missão.

Obviamente, estas idéias especulativas, promovem palpiteiros e especuladores que adoram defender o conceito de que a Bíblia contém erros. Isso nada mais é do que boa propaganda para a venda de novos livros sobre o assunto. Afinal estes supostos documentos “alegam" e não podem provar nada. Somente ateístas militantes por bobagens como estas levam a sério estas histórias. Seria mais ou menos pensar o seguinte: Daqui a mil anos, alguém pode achar uma cópia do livro de Dan Brown e dizer que achou uma fonte “extra-canônica”. Isso só evidência o ciclo da ignorância sobre a Bíblia.


Inúmeras pessoas desconhecem os mecanismos históricos e exegéticos que levaram as Escrituras Sagradas à desenvolverem o seu cânon. E cá entre nós, uma “descoberta" dessa perto do Natal, data que mundialmente as pessoas falam sobre Jesus, seu nascimento, etc, é bastante oportuna para vender livros, teorias e afins, não é mesmo?

A FALTA DE ÁGUA EM SP E O QUE NOS ENSINA O PROFETA JEREMIAS?

A água possui um “simbolismo” muito forte nas Escrituras Sagradas. A água tanto pode representar benção, vida, descanso, sinal da presença de Deus. Como também pode representar morte, caos, destruição e ausência de Deus.

Para um povo que vivia em regiões desérticas e semi-áridas, a água sempre era um sinal de benção de Deus. No livro de Genesis podemos notar que a água criou o “ambiente uterino” adequado para a criação divina, o Espírito “pairava”, isto é, gestava esta água para potencializar vida criativa e abundante sobre o planeta. O Éden era regado por quatro grandes rios. Deus abriu as águas do mar vermelho para salvar o povo de uma perseguição terrível. Abriu as águas do Jordão para a passagem da arca da aliança. Jesus é revelado Filho amado de Deus, em seu batismo, nas águas do Jordão. O primeiro milagre de Cristo foi transformar água em vinho. Em sua conversa com a mulher samaritana afirma que ele daria-lhe a água da vida. Jesus afirma no Evangelho de João que aquele que Nele crê, do seu interior fluem rios de águas vivas. Paulo afirma que Cristo é o rochedo espiritual da qual sai água espiritual. Apocalipse afirma que a voz dos que adoram o Cordeiro é como o som de muitas águas, enfim, água possui uma característica simbólica em toda a Bíblia de benção, de vida eterna, de gratidão e adoração ao Senhor.

Mas paradoxalmente, foi através da água que Deus trouxe juízo aos povos primitivos através do dilúvio. Foi deflagrado sobre o Egito uma maldição de dez pragas começando pelas águas do Nilo. Elias orou e os céus não deram suas chuvas sobre Israel, e os períodos de intensa seca, sempre foram vistos como uma espécie de maldição divina anunciado pelos profetas do Antigo Testamento.

Desde o útero materno aprendemos que a água é essencial. O fato é que todo ser vivo deste planeta depende de água pra sobreviver. Nosso corpo é constituído de 70% de água, não conseguimos passar mais do que quatro dias sem este líquido precioso. A água está ligada diretamente a nossa salvação, tanto espiritual, como física e biológica. E aqui eu quero me ater um pouco. Vamos lá:

Antonio Carlos Zuffo, especialista em recurso hídricos alerta que a engenharia ambiental já esgotou todas as possibilidades de solucionar a crise de falta de água em São Paulo. Má gestão, inúmeros alertas ignorados e interesses políticos levam a cidade e o estado paulista à maior crise hídrica da sua história. Segundo o estudioso só nos resta “rezar” para Deus enviar chuva (Veja a matéria completa aqui).

Também o presidente do conselho mundial de água, Benedito Braga, explica a crise paulista em três pilares:
1. a situação climática tem o menor nível de chuva no período nos últimos cem anos.
2. Os consumidores não usam os recursos hídricos conscientemente.
3. Falta de planejamento administrativo do governo e alerta da situação à população do estado. (Veja a matéria completa aqui)

Existe um efeito dominó que será visto nas próximas semanas por conta da escassez da água e do racionamento gradativo. Vejamos:
  • Desemprego em massa devido a falta de produtividade das indústrias por conta do racionamento em diferentes setores.
  • Inúmeras doenças, “viroses” e problemas instestinais devido a falta de saneamento adequado do chamado “volume morto”, criando outra crise na saúde, hospitais e ambulatórios que já trabalham sobrecarregados.
  • Dispensa de aulas nas escolas públicas ou particulares prejudicando o planejamento do ano letivo.
  • Saúde, educação, trabalho, turismo, etc. Inúmeras áreas da sociedade paulista serão prejudicadas por conta da falta de água. Vamos lembrar também que esta cidade carrega o fardo de 35% do PIB nacional, e em certo sentido tudo isso afetará o Brasil inteiro.
O fato é que São Pedro é inocente, o volume morto está morrendo e a Sabesp fatura por ano aos seus acionistas (pois ela tem capital aberto na Bolsa de Nova York) 11 bilhões de lucro líquido, só em tarifas cobradas dos consumidores. Será que estamos debaixo de maldição? Sim, estamos! E aqui eu apelo para as Escrituras Sagradas novamente. Vejam estes textos impressionantes:

"Olhe para o campo e veja: Há algum lugar onde você não foi desonrada? À beira do caminho você se assentou à espera de amantes, assentou-se como um nômade no deserto. Você contaminou a terra com sua prostituição e impiedade. Por isso as chuvas foram retidas, e não veio chuva na primavera. Mas você, apresentando-se declaradamente como prostituta, recusa-se a corar de vergonha. (Jeremias 3:2-3).

Essa fala de Jeremias mostra a razão pela qual Deus impediu as chuvas sobre Judá. O comportamento de seus moradores! Eles não se quebrantaram diante das pregações de arrependimento de Jeremias, eles eram comparados a uma prostituta. Não havia constrangimento, não havia culpa, não havia consciência, não havia quebrantamento. 

Assim também a nossa cidade (moradores) se comporta dia após dia. Indiferente ao clamor do pobre, com suas cadeias lotadas, com suas favelas incendiadas, apenas correndo atrás do dinheiro e do consumo desenfreado. Os índices de violência, tráfico, latrocínio, prostituição infantil, trabalho escravo, miséria, abortos, corrupção, etc, a cada ano atingem índices alarmantes. Não adianta clamar por misericórdia se não houver mudança de comportamento e de consciência social.

Outro texto do profeta Jeremias que me impressiona diz: “Entre os ídolos inúteis das nações, existe algum que possa trazer chuva? Podem os céus, por si mesmos, produzir chuvas copiosas? Somente tu o podes, Senhor, nosso Deus! Portanto, a nossa esperança está em ti, pois tu fazes todas essas coisas.” (Jeremias 14:22).

A quem clamar? Ao governador? Aos céus? A Sabesp? Não! Não nos resta nenhuma dúvida diante de afirmações tão claras. Deus é o Dono e Senhor da natureza, e somente Ele poderá nos livrar de tamanho caos. É hora de exercermos nossa fé. Jeremias nos ensina a colocar a esperança no Senhor. É tempo de orar como fizeram inúmeros judeus em Israel em 2010, eles se arrependeram como nação diante do Senhor e Deus enviou a chuva para o fim de ano mais seco da história moderna daquele país. Veja o vídeo abaixo:



JUSTIÇA GENEROSA! - UMA REFLEXÃO SOBRE A PARÁBOLA DO BOM SAMARITANO.

DEUS ME DÊ UM POUCO MAIS DE PACIÊNCIA.

Deus é muito paciente com os impacientes como eu, mas sejamos sinceros, esperar cansa! Queremos com euforia o minuto seguinte. Pegamos atalhos, antecipamos palavras, queremos o controle dos ponteiros do relógio. O sábio escreveu nas Escrituras: “Há tempo para cada propósito debaixo do céu!” Mas quem disse que queremos esperar?

Por isso a paciência é uma arte, talvez a mais difícil de nossos dias. Porque a paciência, às vezes, parece a única solução para os males que não possuem uma solução objetiva. Ser paciente é uma virtude complicada, porque ela não possui nenhuma aparência de heroísmo. Mas é a paciência, a argamassa da esperança!

Qual o segredo para ser paciente no trânsito de uma cidade como São Paulo? Admiramos a paciência do motorista que está atrás de nós, mas não no que está a frente? Como esperar o resultados dos exames na sala de atendimento de um especialista? No ambulatório de uma maternidade? Na espera de uma resposta decisiva? Enfim, como ser paciente em momentos “urgentes”. Nossa vida é um constante desafio à sermos pacientes, pois a paciência exige tempo, e o tempo exige paciência. A prova mais exigente de toda fidelidade ao Senhor é o tempo, e somente a paciência me torna apto para passar esta prova.

O fato é que a maioria de nossos fracassos, de nossas falhas, de nossas brigas e discussões foram causadas pela falta de paciência. A paciência dá uma certa soberania a alma nos momentos de decisões difíceis. A pressa sempre gerou muito desperdício, como diz o grande Lenine nesta canção: “Enquanto o tempo acelera e pede pressa...eu me recuso, faço hora, vou na valsa...a vida é tão rara!”

PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA SUPERPOP - SEITAS, RELIGIÕES E DOUTRINAS

Participei recentemente do programa Superpop da apresentadora Luciana Gimenez, na RedeTV. Apesar de ser um programa gravado, e sofrer alguns cortes em algumas reflexões e questionamentos que fiz na gravação, pra mim, pessoalmente o resultado foi positivo. A experiência me trouxe ainda mais vontade de defender a fé cristã e a Bíblia Sagrada diante de um mundo caótico e lançado à invencionices religiosas. Precisamos estar preparados para responder com firmeza aos divulgadores de seitas, heresias e doutrinas das mais variadas linhas. Se você quiser assistir o programa na íntegra, aqui vai o link do Portal Guiame: Clique Aqui

NÃO FOI MARINA QUEM PERDEU...FOMOS NÓS!

Afirmo que não foi a Marina Silva que perdeu, fomos nós seus eleitores, que achamos que o país realmente queria mudança. Desculpe Marina, estávamos redondamente enganados. O País não quer uma nova política, o Brasil quer o jeito velho de governar, quer continuar sendo sustentado pelo “bolsa” qualquer coisa. Quer continuar dando risada do Tiririca que alcançou de novo um milhão de votos, e foi o segundo deputado federal mais bem votado. É Marina, não existe uma terceira via na política. Estávamos errados, o Brasil é um país de tolos mesmo. 


Fiquei pasmo ao saber que Collor é de novo senador por Alagoas! Pois é minha irmã Marina, precisamos admitir nossa cegueira social. O Brasil quer que a Amazonia se dane, quem liga pra floresta, o que o brasileiro gosta mesmo é de futebol, e que venham as olimpíadas. Não foi o debate, nem as idéias que interessaram, mas os “memes” da internet, as piadas e as gozações. Ninguém liga pra isso Marina, só a gente, só 21% da população que votou em você, que sonhou com você, e que tentou fazer um trágico acidente de avião que ceifou um pai de família não terminar em vão. Mas termino este texto com uma frase clássica de Mark Twain: É mais fácil enganar as pessoas do que convencê-las de que estão sendo enganadas. 

QUEM É VOCÊ QUANDO NINGUÉM VÊ?


Estamos condicionadas a valorizar o aparente, isto é, aquilo que não é o todo, que é em parte. E o que é em parte... deixa de ser plenamente. Um comportamento exemplar não é apenas quando estamos no meio das pessoas agindo corretamente. Uma vida com Cristo é fazer as coisas certas quando nenhum par de olhos estão sobre você. Quem é você quando ninguém vê?

NEM TUDO QUE É SAGRADO É DIVINO!

Ao pregar em minha comunidade sobre a Parábola do Bom Samaritano, me deparei com a perspectiva de que nem tudo que é Sagrado é Divino. Aprendi que o Divino acontece fora das paredes da religiosidade.
O Sagrado deriva do latim sacrum que está relacionado com a área em volta do templo. É algo que merece o mais profundo respeito. Nesta aspecto existem inúmeras coisas sagradas. Além de templos, objetos religiosos e conceitos existenciais supremos de moralidade, um time de futebol também pode ser sagrado, um final de semana de descanso também pode ser sagrado. A moradia de alguém ou mesmo um cômodo, pode ser um espaço sagrado. Estas experiências possuem um contorno religioso, um ambiente compatível, um certo ritual, uma certa liturgia, um misto de emoções e realidades interiores movidos pela assimilação com aquilo que temos profundo respeito e veneração, beirando inclusive a idolatria.
Apesar de saber que a subjetividade de cada experiência dá esse contorno religioso, o Sagrado, apesar de religioso, não é necessariamente divino.
O Divino não se adapta aos esquemas religiosos. O Divino é mistério, é vento, não ventilador. Não sofre o controle, nem a demanda dos homens. Não depende de ambientes preparados, nem de sistemas cúlticos. Está fora...lá fora!
O Divino pode estar no abraço de um pai, na alegria de uma criança, na conversa entre dois amigos, no choro de um doente acalentado por uma mão de afago. O Divino transcende a matéria, está além das percepções religiosas e mecânicas. O Divino é Espírito, que se percebe na interação dos relacionamentos verdadeiros.
São experiências irrepartíveis e inenarráveis, quando acontece ficamos profundamente tocados pela lição da experiência. Mudamos posturas, quebramos conceitos.

Jesus está muito além do conceito religioso do sagrado, Jesus é divino, tão divino, que humanizou-se e ensinou o homem que a maior prova da existência de Deus é a vida do homem que sem a experiência com o Divino, não é vida, apenas existência. 

ESTRELA DE DAVI - SÍMBOLO SAGRADO OU PROFANO?

A estrela de seis pontas já foi alvo de inúmeras idéias. Chamado por muitos neo pentecostais de símbolo ocultista, símbolo satânico, símbolo maçom, enfim, sempre atrelado ao conceito de profano ou demoníaco, como quase tudo na história que está relacionado com o povo judeu. Isso na verdade é uma espécie de anti-semitismo velado.

Para o judeu a estrela de Davi ou Magen David é um símbolo sagrado e está relacionado com o conceito de que as seis pontas representadas no desenho simbolizam o governo de Deus em todas as direções: Norte, Sul, Leste, Oeste, Céu (Acima), Terra (Embaixo).

Esse símbolo é visto na maioria das sinagogas, está representado na bandeira da nação, e em vermelho nas ambulâncias de Israel. Além de mezuzas, kipás, menorás, talit’s, e outros utensílios da cultura judaica.

Este símbolo apareceu primeiramente ligado aos judeus já na Era do Bronze - no século IV a.C. - num selo judaico achado na cidade de Sidon. Ele também aparece em muitas sinagogas antigas na terra de Israel datadas da época do Segundo Templo e até mesmo em algumas depois de sua destruição pelos romanos.

O rabino Henry Sobel dá uma definição muito interessante sobre o hexagrama de Davi, vejamos: “A Estrela de David consiste de dois triângulos superpostos em direções opostas. Os vértices do primeiro triângulo representam os três pilares da nossa fé: Deus, Homem e Povo. O segundo triângulo corresponde aos três grandes momentos da nossa história: Criação (passado), Revelação (passado que prossegue no presente) e Redenção (futuro). O primeiro triângulo simboliza a fé judaica; o segundo - a história judaica. Juntos constituem a essência dos nossos ideais.”

É verdade que a estrela de Davi foi um triste símbolo do holocausto, mas o fato de outras culturas, seitas e ocultistas terem se utilizado deste símbolo, não significa que devemos desqualifica-lo. Seria como desqualificar a língua portuguesa inteira porque ela é usada em invocações de demônios pelo sacerdote em um culto de magia negra. Uma coisa não anula a outra, o fato de terem tomado para si a Magen David em outras culturas, não a desqualifica, não tira o seu significado e nem mesmo a sua característica na tradição judaica.

Existem inúmeras provas arqueológicas datadas dos primeiros séculos, que trazem consigo o que é chamado de “selo messiânico”. Muitos destes utensílios como vasos, jarras, etc, foram encontrados em grutas próximas do monte Sião, e este símbolo é composto de três partes: A menorá, a estrela de Davi, e o peixe. Isso resgata a judaicidade e tradição judaica dos primeiros cristãos para o desenvolvimento das primeiras igrejas. Lembremos que os primeiros cristãos da história foram judeus, e estavam atrelados a cultura e a tradição judaica.

Infelizmente muitos evangélicos, a cada dia criam novas teorias para colocar outros cristãos em contramão com a judaicidade bíblica. Baseados em livros de pseudo-autoridades eclesiásticas, sem um estudo histórico profundo e sério, reproduzem falas ou textos, sem nenhuma análise exegética ou histórica. Estão buscando respaldo em livros oculistas para fazerem suas afirmações.


Porém na minha opinião, não creio que seja errado usar uma estrela de Davi. Seja como pingente, numa camiseta ou um adesivo no carro. O fato é que este símbolo representa  para nós cristãos a história do povo judeu, e nada além disso. Ele não é místico em si e nem carrega qualquer “carga” espiritual. Para muitos judeus este símbolo é sacrosanto, pois ele tem uma relação muito mais estreita com o Judaísmo do que com o Cristianismo, para os cristãos, a Cruz é o símbolo máximo da nossa fé. Ao usar um estrela de Davi, uma menorá ou um crucifixo, não profano a minha fé nem me torno um idólatra, apenas reconheço que o mesmo Deus revelado no AT, de maneira simbólica, revelou-se no NT na pessoa de Jesus de Nazaré, um judeu, que nos ensinou que  a verdadeira fé não está em “coisas”, mas na sua pessoa e no seu ato sacrificial por nós. A Ele toda a Glória!

* Para desmistificar a idéia de que os judeus não sabem o que a estrela de fato representa, um pequeno vídeo do respeitado Rabino: David Witman sobre o Magen David:  http://youtu.be/Q70KwWzmc_Y

POR QUE DEUS NÃO TEM FACEBOOK?

O Facebook, não é uma rede social, mas uma mídia social, inclusive lá fora, o nome é “social MEDIA”, e não “social NETWORK”. Das 845 milhões de pessoas cadastradas no Facebook, 483 milhões utilizam essa mídia social todos os dias. As telas do Facebook (timelines) mostram pessoas felizes, viajando, realizando feitos memoráveis, alguns extraordinários, alcançando momentos especiais como casamento ou a conquista de um diploma, uma viagem especial e por aí vai. É um leque de conquistas, satisfações e pessoas alegres e realizadas.

Pesquisadores e especialistas dizem que tal situação pode provocar uma "inveja espiral", crescente, que é muito peculiar nas redes sociais em geral. Ao ver fotos bonitas de seus amigos no Instagram, Facebook, etc, você fica motivado para publicar fotos melhores, e seus amigos, ao verem suas fotos, vão tentar publicar fotos ainda mais bonitas, e assim o mundo das redes sociais tende a levar as pessoas para longe do mundo real. 

E esse é o sério problema com o Facebook. As pessoas criam uma rede de amigos, familiares e conhecidos, todos ligados entre si. Desenvolvem ainda uma identidade online, virtual, que compreendem como sendo de grande importância emocional e pessoal. Nesta mídia social, elas postam idéias, fotos, pensamentos, e falas sem ser preciso dar a cara, sem ser preciso olhar no olho, sem ser preciso justificar nada. Essa vida pessoal exposta de maneira virtual, nos leva à possibilidade de criar uma ilusão a nosso respeito, em nós e nos outros.

Funciona assim: caso alguma coisa não esteja bem, eu simplesmente “deleto” da minha timeline. Caso algum comentário me incomode, eu simplesmente respondo com acidez ou rancor, pois sei que não estarei na frente da pessoa falando isso. Quando posto algo e não recebo curtidas, me sinto frustrado, com problemas de aceitação, etc... E essa vida do Facebook, se funde com a vida real em nossa mente, e passamos a querer viver a vida idealizada do Face, ao invés da vida real, difícil e “normal” do cotidiano.

O Facebook não é o meu resumo, tão pouco uma extensão de mim. Essa mídia social é só mais um meio de interação, útil sim, mas não imprescindível. E que requer cautela no seu uso e na exploração dos fatos, das fotos, e dos post’s pessoais. Nas relações da vida real, eu preciso encarar os problemas, encarar as pessoas, me relacionar com elas. É quase impossível ter mais do que cinco amigos reais (verdadeiros e confidentes), mesmo que você tenha milhares de “seguidores” no face. 


Por isso, respondendo a pergunta acima: Por que Deus não tem Facebook? Simples, porque Ele não quer seguidores, mas amigos reais e verdadeiros. Deus não quer ler a timeline do seu avatar, Deus quer ler o seu coração. Fé não é uma expectativa virtual, mas uma esperança real em um Deus pessoal!

MENSAGEM - SERVINDO A DEUS COM ALEGRIA. Um casamento em Caná da Galiléia.

E SE HOJE FOSSE O ÚLTIMO DIA DE NOSSA VIDA?

Hoje é o último dia da vida de alguém! Essa afirmação é avassaladora e reflexiva, pois a nossa vida é constituída de inúmeros instantes, milhões de minutos, a vida está em movimento. Porém, um dia, sem mais ou menos, sem nexo, ela pára. Ela estaciona no tempo e no espaço. A vida, como a conhecemos, biológicamente morre! Morrer faz parte da vida, mas o grande problema é que a morte nos assalta, sem aviso, sem preparo, sem diálogo.
E esse é o problema: Qual é o último dia? Quando pode ser nosso último dia? Ninguém sabe! Aliás, se hoje fosse o último dia da minha vida, eu o viveria como viverei hoje? Faria o que farei hoje? Steve Jobs, disse que a proximidade da morte, quando descobriu seu câncer, fez com que ele reavaliasse seus propósitos, objetivos e metas pra vida. E nós, o que faríamos? Se hoje você partisse pra uma viagem sem volta, o que deixaria para os que permanecem ou o que os ensinaria com sua ausência?
Pode parecer maluquice estas perguntas, mas se você vivesse fazendo esta pergunta todos os dias, um dia você estaria certo(a). Ele chegará, e por isso precisamos reavaliar nossas prioridades, nossos sentimentos, o que estamos valorizando?
Enfim, tenho algumas idéias do que eu faria, vamos lá:
  1. Valorizaria muito meu tempo. Cada minuto, cada instante seria importante, e por isso só gastaria este tempo com coisas valiosas, tipo: amizades verdadeiras, risadas e lágrimas pra lavar a alma, visitas em hospitais apoiando os que estão próximos da morte, estar um pouco mais com minha família, curtir mais a natureza e agradecer à Deus por ter visitado este lindo planeta chamado terra.
  2. Falaria com toda sinceridade, mas amorosamente. Hoje eu compreendo que perdemos muito em nossas relações falando superficialmente. É importante falarmos francamente, mas agindo com amor, respeitando  as limitações de cada ser humano. Creio que perdemos enormes oportunidades de fazer outros crescerem por omitirmos percepções e experiências que valorizariam a vida de outros.
  3. Pregaria mais sobre o amor de Deus. Compreendo que Deus é amor, mesmo estando debaixo de luta. O salmista diz que Deus está conosco mesmo no vale da sombra da morte e por isso não devemos temer. Entendo que o problema não é morrer, mas morrer sem Deus. Porque, ele é o único que sabe qual é o último dia da vida de cada um. Pregaria que a morte pode matar a esperança de muitos amores, menos o amor de Deus por nós.
Termino concluindo que é exatamente isso que Jesus pede de nós. Que saibamos remir os dias, que sejamos verdadeiros em nossos relacionamentos, e que preguemos com ações e palavras o amor de Deus ao mundo. Viver para Jesus, é viver como se hoje fosse o último dia de nossas vidas. O tempo pode dar fim aos nossos dias, mas jamais a nossa imortalidade, ela pertence ao Senhor!

A Ele toda a Glória

FORA DA CAIXA - DEUS E O MUNDO DOS NEGÓCIOS


Fora da Caixa é um encontro que acontece toda última sexta-feira de cada mês na Igreja Apostólica Vida Nova, e que vai de encontro as demandas do cristão neste mundo pós-moderno.
O primeiro encontro Fora da Caixa vem com o tema: Deus e o mundo dos negócios! - Em tempos de domínio da ansiedade, estamos em constante conflito com nossos planejamentos, sonhos e conquistas, por outro lado, o mundo das relações profissionais subtrai a esperanças de milhões de pessoas. Como mudar as estruturas dos nossos pensamentos sobre vocação, trabalho, economia e propósito de vida?
Se este assunto te interessa, você é nosso convidado(a). Venha e traga um amigo(a)!

SEXTA-FEIRA
20:30h. (No auditório RDJ)
Maiores informações: 3554-9103





NESTA ELEIÇÃO, VAMOS CONFESSAR NOSSOS ERROS E CORRIGIR NOSSA ROTA?

Como pastor de uma congregação local tenho a responsabilidade de ensinar meus irmãos e amigos, à serem cidadãos e a honrarem seus votos. Ainda que as pessoas gostem ou não, a política afeta todos nós, inclusive os que professam a fé. Por isso como pastor e mentor não posso permanecer alheio aos acontecimentos e alienado aos desdobramentos sociais e atuais do Brasil.
Prego que o Reino de Deus deve ser vivido em todas as dimensões da existência, e isso significa que devemos ser sal e luz também dentro da realidade política de nosso país. Precisamos lutar politicamente pelos direitos dos que não possuem voz e nem vez na sociedade. Pelas minorias sociais, pelos ”orfãos e viúvas” de nossos dias, pelos valores inalienáveis da justiça social que o Reino propõe. E o voto é uma grande ferramenta de ajuste social.
Mas é preciso destacar também, que a maioria esmagadora dos evangélicos brasileiros não conhecem as tradições protestantes e nem possuem os relatos das raízes históricas de mudança social a partir da matriz da reforma. O pensamento político, cultural e ético de reformadores como Thomas Müntzer, João Calvino, e Abraham Kuyper, influenciaram pessoas como Martin Luther King e outros, alterando a história e a política de nações inteiras.
Outro fato assombroso, é que dentro da igreja evangélica brasileira há pouca política e muita politicagem! A política de verdade é feita por vocacionados, não aproveitadores. A politicagem feita pelos evangélicos dentro dos arraiais denominacionais é insana. E é essa malandragem que deturpa a essência da política. É o abuso daqueles que, “em nome de Deus” instrumentalizam rebanhos para alavancar sua ambição pessoal.
A bancada evangélica no congresso nacional é mais conhecida pelos roubos, desvios, escândalos, e polêmicas pessoais, do que pela luta dos excluídos e marginalizados. Mostram-se escandalizados pelas questões morais como “bons religiosos”, mas não possuem sensibilidade pelos problemas sociais graves e de impunidade e exploração em diferentes regiões do Brasil. Esse tipo de discurso torna-se religioso, moralista e vazio.
Bem, o fato é, que a igreja não precisa de um defensor público. Já temos o nosso Senhor e suficiente Salvador em todas as áreas, à saber, Jesus de Nazaré. Por isso, não podemos votar em alguém que professa apenas a fé, sem mostrar as suas obras. Fé sem obras é morta! E na vida pública, não é diferente. Não queremos políticos que defendam a igreja evangélica, queremos políticos que façam desta nação um país mais justo, que combatam a opressão estrutural e a maldade social, e que sinalizem os valores do Reino de Deus aos homens. Termino citando Robson Cavalcanti: "A missão da Igreja é manifestar aqui e agora a maior densidade possível do Reino de Deus que será consumado ali e além".

Clique na imagem para aumentar


O CRENTE E O GALARDÃO.

Geralmente as pessoas nas igrejas compreendem que galardão é uma recompensa por serviços prestados. Uma espécie de compensação, prêmio, um reconhecimento pelo trabalho realizado. Alguns até consideram o galardão como uma espécie de honraria, condecoração, uma homenagem que atribui ao galardoado uma distinção dos demais.
Muitos porém fazem confusão com o conceito do galardão e há bem poucos estudos sérios de interpretação sobre o tema. Vejamos o que podemos extrair da Bíblia sobre galardão?
Existem inúmeros textos bíblicos que sustentam a doutrina do galardão e o apoio escriturístico é suficiente, tanto no Antigo Testamento (2 Cr 15:7; Is 40:10; Is 62:11), quanto no Novo Testamento (Mt 16:27; 1 Co 3:8,14; Ef 6:8; Ap 2:23; 11:18; 22:12).
Existem duas palavras gregas para galardão, uma é misthós , e o seu significado é salário (Rm.4:4) ou recompensa (Mt.5:46), e a outra é antapódosis cujo sentido é de retribuição (Cl 3:24; Lc 14:12). Podemos portanto compreender que galardão está relacionado com as recompensas que os salvos receberão na glória porvir, de acordo com suas obras (2 Co 5:10). Tanto no sentido positivo, como no sentido negativo. (Rm 11:9).
Obviamente precisamos esclarecer que o galardão difere da salvação em nossa relação com Deus. A salvação é uma dádiva, um presente de Deus pra nós, fruto da Graça divina, dom gratuito, recebido pela fé, imerecidamente. O galardão é um reconhecimento, uma recompensa. Isto é, a minha salvação depende totalmente da fidelidade de Cristo na cruz, enquanto que o meu galardão depende da minha fidelidade para Cristo na vida.
Não podemos desenvolver a nossa salvação desvinculada de um atitude cristã autêntica. Um dia todos nós (os salvos) prestaremos contas de nossas obras ao nosso Senhor e receberemos os nossos galardões de acordo com as nossas motivações mais íntimas.
Nas citações de Rm 14:10 e 2Co 5:10 Paulo mostra o que acontecerá quando Cristo reunir todos o redimidos em torno de Si; diante do seu tribunal. Ali haverá uma avaliação do que fizemos, e não fizemos, não no sentido quantitativo, mas qualitativo. Ali serão avaliadas as obras e não o obreiro. Haverá ganhos e perdas de recompensa, não de salvação. Todo o trabalho será avaliado perante a justiça Divina. Jesus Cristo irá julgar os seus. 
O apóstolo Paulo também deixa claro que podemos fazer obras individuais de caráter espiritual de grande valor, como “ouro, prata e pedras preciosas”. Mas também podemos executar obras de caráter promocional e pessoal, isto é, que não glorifiquem a Deus, e que são frágeis como “madeira, feno e palha” (1Co 3:12-15). Porém, Wayne Grudem salienta em sua Teologia Sistemática o seguinte: “É importante perceber que esse julgamento dos crentes será para avaliar e conceder níveis de recompensa" (página 977). Estes níveis de galardão para os crentes não promoverá problemas de inveja, ciúmes e competição porque o pecado não mais existirá no corpo glorificado. 
Pontuando que Deus é mais importante do que o galardão. Ele é o "galardoador". A motivação não é o prêmio, mas Aquele que irá premiar. As Escrituras ensinam que a vida eterna é alcançada pela graça por meio da fé. Porém, o galardão vem como conseqüência das obras realizadas depois da fé. O galardão está relacionado com o comportamento do crente como salvo desenvolvendo o caráter de Deus em si.

Por isso é importante compreender que mesmo o galardão, é consequência e fruto da ação da Graça de Deus em nós, sem o qual, jamais seríamos considerados merecedores de qualquer coisa no céu.

QUAL É O MELHOR PRESENTE PARA O SEU PAI?

Infelizmente não tive um pai participativo. Na verdade, meu pai foi embora de casa aos meus onze anos de idade e nunca mais tive notícias dele. Não sei se ele está vivo ou morto, longe ou perto, com saúde ou doente! O que sei é que apesar de sua ausência, ele me ensinou algo muito importante; o de não ser ausente na vida dos meus filhos. 
Deus me deu o privilégio de ser pai de três maravilhosas crianças, e gostaria muito de ao ficar mais velho, não ter a ausência dos meus filhos nesta fase da vida. Todo filho um dia torna-se pai da velhice do pai.
Há um dado momento em que trocamos os papéis com os pais, e passamos a ser cuidadores daqueles que um dia cuidaram de nós. Quando os pais se tornam lentos, enfraquecidos e com certas limitações, o filho então deve assumir o papel de pai da velhice do pai.
Hoje, nos meus 40 anos, eu ainda dou ordens, estabeleço limites, chamo a atenção, e procuro prover todas as necessidades que meus filhos possuem, mas chegará um dia em que nossos papéis se inverterão. E então eu passarei a pedir, suspirar e gemer, e a dar um pouco mais de trabalho, tudo será muito mais difícil pra mim, me esquecerei de algumas coisas, talvez até precisarei de ajuda pra mudar de roupa ou tomar alguns remédios vitais.
Meus filhos também sabem que eu mudei coisas em casa pra eles não se machucarem quando bebês. Bloqueei tomadas, coloquei tela na sacada, cercadinho na escada, protetor na quina dos móveis, alterei minha rotina, e abri mão de comprar coisas pra mim e pra minha esposa, só pra comprar pra eles. E era mesmo pra ver a felicidade sem preço e as covinhas do sorriso pelo brinquedo novo na cara de cada um deles.
Mas um dia precisarei de corrimões, de colchões especiais pra coluna, de protetores no banheiro. Um dia minha residência precisará ser preparada para receber minha velhice e conto com os meus filhos pra isso, ainda que não sejam arquitetos, engenheiros ou médicos, mas apenas filhos presentes na velhice do pai.
Uma das palavras mais belas que podemos ouvir de nossos filhos é: “Deixa que eu ajudo!” - E é triste quando o filho que aparece apenas no enterro do pai, e perde esta oportunidade de se despedir um pouco à cada dia.

Enfim, talvez um dia, um dos meus filhos me pegue no colo, pra enfermeira trocar a roupa de cama, e assim, aninhado nos braços do meu filho/pai, eu, pequeno, enrugado, fraco, saberei que a maior dádiva é ter um filho presente nas nossas últimas e derradeiras horas finais. Esse é sem dúvida o maior e melhor presente que um pai pode ganhar de seu filho(a): A convivência até o fim de nossas vidas.

O NOVO “TEMPO” DE SALOMÃO - A IURD INAUGURA UMA ERA PERIGOSA

Não é erro de grafia não, o título está correto. É um novo tempo, não apenas um novo templo. A IURD (Igreja Universal do Reino de Deus) possui hoje 1,8 milhões de adeptos no Brasil submetidos a uma programação psicológica, através de discursos bem elaborados com inúmeros instrumentos e técnicas cenográficas, que produzem total alienação social e espiritual, seguindo as diretrizes do seu “Salomão”; Edir Macedo.
Com uma refinada equipe de advogados e economistas, a IURD foi transformada em uma holding religiosa, um conglomerado que movimenta bilhões em diferentes países e através de inúmeras empresas. Para saber mais, basta ler o livro BISPO S/A, que é um ótimo trabalho elaborado pelo filósofo e teólogo Odêmio Antonio Ferrari. O fato é que Edir Macedo reúne em si as quatro forças mais perigosas do mundo quando usadas de maneira imprópria, à saber;
  1. A força política da Universal do Reino de Deus. Através do PRB que está em plena rota de crescimento para 2014 através da IURD, a igreja instalou no meio político seus bispos e pastores, entre eles 9 deputados federais, um senador que é ministro e concorrerá ao governo do Rio de Janeiro, 54 prefeitos, 30 sub-prefeitos, e 780 vereadores. Todos alçados e conduzidos nas eleições pela IURD e pelo seu eleitorado cativo nos templos da denominação. Mais dados assustadores? Acesse aqui 
  2. A força midiática da Universal do Reino de Deus. A IURD hoje destaca-se pelos veículos midiáticos de sua propriedade. No ano de 2002, era proprietária de 62 emissoras de rádio, da terceira maior empresa de televisão brasileira, a Rede Record (que reúne 63 emissoras afiliadas no país), além da Rede Mulher, Rede Família e CNT, todos canais de televisão aberta. A igreja também dispõe do portal Arca Universal, que oferece ao internauta links relacionados a produtos e mídias da IURD, além de seu site institucional da igreja, assim como o portal multimídia R7. Isso tudo, apenas no Brasil. Um intenso estudo sociológico sobre o assunto: Acesse Aqui e Aqui
  3. A força financeira da Universal do Reino de Deus. Já é conhecido de todos que o propósito de cada culto realizado pela IURD, está relacionado com prosperidade financeira. Reuniões como: Concentração de fé e milagres, Fogueira Santa, Congresso Empresarial, entre outros são trabalhos voltados para o crescimento financeiro de seus fiéis, que é prometido pela troca de ofertas “voluntárias” dos mesmos à denominação. O problema é que o dinheiro na IURD, ganha status sacramental. Assim como a igreja católica fazia na idade média com as indulgências, a IURD prega que a Graça de Deus só pode ser alcançada através de sacrifícios financeiros, levando as pessoas a doarem suas finanças em troca de uma benção. A prática nos cultos da Universal não condiz com a idéia bíblica, eles não fazem uma exortação à fé, mas uma “extorsão” da fé! Veja mais dados neste ótimo estudo sobre a Teologia da prosperidade da IURD: Acesse aqui
  4. A força religiosa da Universal do Reino de Deus. A IURD investe pesadamente nas narrativas públicas de seus membros, nos testemunhos públicos, evidenciando o "poder e a força" da igreja, no combate ao "Mal", seja ele concretizado na dor, no sofrimento, no "castigo" ou na perturbação por "espíritos malignos". Os relatos ilustram exemplarmente a transformação da vida dos que optaram pela inserção na IURD. Trata-se de uma busca por uma "igreja com maior poder" - poder que se reflete na elaboração de suas edificações, como as Catedrais da Fé, e agora o grande resumo de poder religioso mundial, o TEMPLO DE SALOMÃO no Brás, em São Paulo. A monumentalidade deste templo reflete a compreensão do poder religioso destilado pela IURD. Edir Macedo deve sofrer de algum distúrbio psíquico como “síndrome salomônica” ou algo parecido. Toda significação simbólica e sincretismo religioso ilustrada por diversos utensílios nas reuniões da IURD, alcança agora o grau máximo na construção desta obra religiosa nababesca. Eles querem ser os novos “conquistadores da fé” neo-pentecostal. Para saber mais: Acesse aqui
  1. - A Universal é uma ameaça ao Brasil? - Clique aqui
  2. Edir Macedo quer ser enterrado dentro do Templo de Salomão - Clique Aqui
  3. Edir Macedo defendo o Aborto - Clique Aqui e Aqui
  4. IURD faz reunião com sacrifício e sangue cenográfico - Clique Aqui
  5. IURD burla as regras para a liberação do Templo de Salomão, em SP - Clique Aqui
  6. Veja como os pastores e obreiros são tratados nas reuniões da IURD - Clique aqui
  7. Edir Macedo na inauguração do templo, como um “sumo-sacerdote”- Clique Aqui


CONCLUSÃO. O grande erro de Salomão não foram suas obras, mas o total desprezo pelos conselhos de Deus. Apesar de sábio e poderoso, morreu idólatra, adorando outros deuses, inclusive Israel nunca mais foi o mesmo depois dele. Quero deixar claro aos comentaristas de plantão e defensores desta “denominação” que isto não se trata de julgamento, não se trata de opinião pessoal, e nem de perseguição religiosa, afinal também sou um pastor, mas também um observador e isso é apenas constatação dos fatos e de boas leituras daqueles que estudam estes fenômenos sociológicos, e mostram mais uma vez como o poder pode corromper até mesmo uma pessoa com boas intenções. Tempos difíceis sobre a igreja de nossos dias e o pior é que o maior mal, vem de dentro, é criado e alimentado pela própria igreja evangélica.

CONGRESSO WAKE PARA JOVENS - VIDA NOVA - DIAS 25 E 26/07


Estamos diante de tempos difíceis, muita informação e inúmeras influências assolam jovens nos dias atuais. A igreja, como agência transformadora do Reino de Deus deve promover respaldo e assistência à estes jovens que querem servir a Deus com integridade espiritual. Portanto, nosso congresso visa esse apoio e suporte. A cobrança por estabilidade financeira e desenvolvimento pessoal faz com que muitos jovens deixem de lado sua vida espiritual e isso causará inúmeros prejuízos maiores num futuro próximo. Wake é esse desafio de despertamento, você será despertado para fortalecer seu discernimento, espiritualidade, intelecto e evangelismo.



R$ 20,00 POR PESSOA - Rua Dr. João Inácio Teixeira, 78 - 
Mooca - São Paulo - SP - (11) 3554.9103 - DIAS 26/27 DE JULHO / 19:30h





FÉ SEM CARÁTER OU CARÁTER SEM FÉ? QUEM É MELHOR?

Esta parece ser uma equação difícil de ser resolvida. Quem é melhor? Alguém que tem fé mas não tem caráter ou alguém que tem caráter mas não tem fé? Explico! Fé sem caráter está relacionado com o fanatismo religioso, com a hipocrisia denominada “crente”, com o evangélico mentiroso, que chama de “diabo” tudo aquilo que ele mesmo promove em sua vida como fruto de uma vida falsa, baseada em palavras sem postura, sem comprometimento real. Ele conhece o Evangelho, frequenta uma igreja, mas seu padrão moral está muito aquém de ser luz e sal na terra. É “crente” sem vida.
Por outro lado, temos aqueles que não possuem fé, mas possuem caráter. são bons maridos, bons pais, filhos, esposa, enfim, pessoas que vivem a vida com ótimos princípios morais, respeitando e inclusive ajudando outros a sobreviverem. São os que chamamos de: “muito gente boa”. Mas e ai, não seria isso uma espécie de vida racionalista e que se sustenta na auto-justiça? Afinal, estes também acreditam que por serem quem são merecem o respeito e a aprovação divina. São “vivos” sem crença!
O fato é que não existe aprovação pra nenhum dos dois. Não basta ter fé sem caráter, nem caráter sem fé. Estas duas virtudes só funcionam em conjunto. A fé não sobrevive sem o caráter para a perseverança de um propósito, assim como o caráter não sobrevive sem a fé, pois vivemos em um mundo extremamente desigual, desumano e injusto. A fé é o tijolo do edifício espiritual, enquanto que o caráter é a sua argamassa.
Quem é melhor? Nenhum! Um é crente sem vida, e o outro vive sem crença. Todos, necessitam urgentemente da Graça de Deus. Pois apenas a fé e o caráter podem sustentar estes cinco pontos primordiais:

  1. É preciso ter FÉ e CARÁTER para aceitar que a salvação é o sacrifício integral de Jesus por cada um.
  2. É preciso FÉ e CARÁTER para aceitar que tudo que as Escrituras falam sobre Deus e sobre o ser humano é verdadeiro.
  3. É preciso ter FÉ e CARÁTER para perseverar das dificuldade e aflições da vida.
  4. É preciso ter FÉ e CARÁTER para aceitar a vontade de Deus ao invés da sua e permanecer fiel ao propósito divino
  5. E é necessário muita FÉ e CARÁTER para continuar vivendo em unidade  e integridade dentro da Igreja Evangélica nos dias de hoje.

O "TEMPLO DE SALOMÃO" DA IURD - POR QUE ESSE PROJETO NÃO É BÍBLICO?

Recentemente em meu blog, postei oito razões pelas quais não iria ao templo de Edir Macedo, que será inaugurado dia 31 de Julho e será também a nova sede mundial da Igreja Universal do Reino de Deus, conforme o site Wikipédia. Recebi inúmeros comentários, assim como em outros sites e blogs parceiros. O fato, é que listei argumentos de cunho pessoal, e que me fazem, como cristão e teólogo à não participar desta obra, consciente do Evangelho que creio e que está revelado nas Escrituras Sagradas. Mas vale muito mais a pena, do que simples razões pessoais, consultar as Escrituras Sagradas para saber o quê a Bíblia fala sobre o Templo de Salomão para os nossos dias, e que relação este tipo de obra tem com o Evangelho de Jesus Cristo.
Um pouco de história:
Edir Macedo não construiu uma réplica do templo de Herodes, da época de Jesus,  e sim do templo de Salomão, o chamado primeiro templo. Um templo grandioso em estrutura e riqueza, conforme declarado na Bíblia. Mas é importante saber que apesar de Salomão se sentir responsável historicamente pela construção do templo, promessa feita por seu pai Davi. Deus jamais pediu ou disse que Salomão ergueria um templo para Ele. Vejamos, o quê Deus diz por intermédio do profeta Natã para Davi quando ele pede autorização para construir um Templo para o Deus de Israel?
"Agora, pois, diga ao meu servo Davi: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Eu o tirei das pastagens, onde cuidava dos rebanhos, para ser o soberano do meu povo Israel. Sempre estive com você por onde você andou, e eliminei todos os seus inimigos. Agora eu o farei tão famoso quanto os homens mais importantes da terra. E providenciarei um lugar para o meu povo Israel e os plantarei lá, para que tenham o seu próprio lar e não mais sejam incomodados. Povos ímpios não mais os oprimirão, como fizeram no início e têm feito desde a época em que nomeei juízes sobre o meu povo Israel. Também subjugarei todos os seus inimigos. Saiba também que eu, o Senhor, lhe estabelecerei uma dinastia. Quando a sua vida chegar ao fim e você descansar com os seus antepassados, escolherei um dos seus filhos para sucedê-lo, um fruto do seu próprio corpo, e eu estabelecerei o reino dele. Será ele quem construirá um templo em honra do meu nome, e eu firmarei o trono dele para sempre. Eu serei seu pai, e ele será meu filho. Quando ele cometer algum erro, eu o punirei com o castigo dos homens, com açoites aplicados por homens. Mas nunca retirarei dele o meu amor, como retirei de Saul, a quem tirei do seu caminho. Quanto a você, sua dinastia e seu reino permanecerão para sempre diante de mim; o seu trono será estabelecido para sempre". E Natã transmitiu a Davi tudo o que o Senhor lhe tinha falado e revelado. (2Samuel 7:8-17 - NVI - grifo meu)
Além de Deus não permitir que Davi construa um Templo em seu nome, Deus ainda afirma pelo profeta que depois da morte de Davi, Deus levantaria alguém da sua descendência para erguer um Templo que honrasse o Senhor, e que este seria tratado como Filho de Deus. Davi deveria morrer para que este Escolhido do Senhor surgisse. Devemos lembrar que nesta época Salomão já havia nascido da união de Davi com Bate-Seba. O próprio Salomão, mesmo após ter construído o templo, declara que Deus não pode habitar nele. Vejamos:
"Agora, Senhor, Deus de Israel, cumpre a outra promessa que fizeste a teu servo Davi, meu pai, quando disseste: ‘Você nunca deixará de ter, diante de mim, um descendente que se assente no trono de Israel, se tão-somente os seus descendentes tiverem o cuidado de, em tudo, andarem segundo a minha lei, como você tem feito’. Agora, ó Senhor, Deus de Israel, que se confirme a palavra que falaste a teu servo Davi. Mas será possível que Deus habite na terra com os homens? Os céus, mesmo os mais altos céus, não podem conter-te. Muito menos este templo que construí!” (2Cr 6:16-18 - NVI - Grifo meu)
Obviamente a mensagem dada por Natã à Davi não se tratava de Salomão, mas de Nosso Senhor Jesus Cristo, este, o verdadeiro Filho de Deus, da descendência de Davi, que levantaria o único templo espiritual em honra ao Senhor, à saber; Seu próprio Corpo pendurado no madeiro e a sua ressurreição. Paulo faz esta afirmação categórica na sua primeira carta aos crentes de Corínto: “Vocês não sabem que são santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vocês? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; pois o santuário de Deus, que são vocês, é sagrado.(1Co 3:16-17 - NVI)
Jesus ensinou sobre isso, em seu encontro com a mulher samaritana no poço de Jacó, quando disse: “Nossos antepassados adoraram neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde se deve adorar". Jesus declarou: "Creia em mim, mulher: está próxima a hora em que vocês não adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém. Vocês, samaritanos, adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos, pois a salvação vem dos judeus. No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade". (Jo 4:20-24 - NVI)
Na própria doutrina ensinada pelos Apóstolos, eles afirmam que não existe um templo físico em que o próprio Deus habite ou que seja especial, ou diferente de qualquer outro templo construído por alguém. Os apóstolos afirmam que Jesus jamais edificou um templo físico, e sim um templo espiritual. 
"O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há é o Senhor do céu e da terra, e não habita em santuários feitos por mãos humanas. Ele não é servido por mãos de homens, como se necessitasse de algo, porque ele mesmo dá a todos a vida, o fôlego e as demais coisas.” (At 17:24-25 - NVI)
Edir Macedo está reforçando uma heresia pagã chamada “Templocentrismo”. Onde o conceito de adoração à uma divindade está relacionada apenas com o templo físico, assim como se fazia no Egito antigo e em outras religiões e culturas politeístas. Devemos lembrar que o templo era destinado apenas para atos religiosos e sacrifícios, e administrado pelo sumo sacerdote. Já as sinagogas eram várias, e eram destinadas à oração, ensino, leitura da Palavra, e interpretação do Velho Testamento. Muito mais parecido com qualquer igreja séria de nossos dias. O templo apenas reforçava a religiosidade do povo, coisa que Jesus repreendeu veementemente em seus dias. Vejamos o que Jesus disse sobre o templo:
1. Jesus afirmou que o templo transformou a espiritualidade do povo em comércio religioso: “Jesus entrou no templo e expulsou todos os que ali estavam comprando e vendendo. Derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas, e lhes disse: "Está escrito: ‘A minha casa será chamada casa de oração’; mas vocês estão fazendo dela um ‘covil de ladrões". (Mt 21:12-13 - NVI)
2.   Jesus afirmou que Ele era maior que o templo, e que a verdadeira espiritualidade não é composta de sacrifícios e sim de misericórdia: “Eu lhes digo que aqui está o que é maior do que o templo. Se vocês soubessem o que significam estas palavras: ‘Desejo misericórdia, não sacrifícios’, não teriam condenado inocentes.” (Mt 12:6-7 - NVI)
3.   Jesus profetizou sobre a possibilidade de um templo idolátrico ser erguido fora de Israel, uma assoladora transgressão religiosa, vejamos: "Quando vocês virem ‘o sacrilégio terrível’ no lugar onde não deve estar — quem lê, entenda — então, os que estiverem na Judéia fujam para os montes.” (Mc 13:14 - NVI)
Jesus revolucionou conceitos e padrões impostos pela interpretação da Lei e o rigor religioso judaico. Jesus usava as sinagogas, mas também os campos e os montes. Ele jamais impôs um lugar apropriado para adorar a Deus. Por isso temos a liberdade de adorarmos o Senhor num templo ou mesmo em nossos lares. Em uma fazenda ou dentro da mais humilde e simples igreja construída. Jesus não aprovou um lugar específico. Por isso podemos ser discípulos de Jesus onde estivermos.
Jesus aboliu qualquer templocentrismo. A atitude de Macedo reforça novamente o rigor das regras, os preceitos duros, os atos religiosos, e os votos pagãos. Podemos notar isso dentro do próprio esquema proposto pelo Templo de Salomão em São Paulo.
1. Edir Macedo juntamente com outros pastores faz o “voto” de não cortar a barba até a conclusão das obras.
2. Existe uma série de regras para adentrar o Templo da Universal, fazendo assim acepção de pessoas.
3. O lugar é considerado sagrado e deve ser adorado. Esta idéia esta baseada nos “pontos de contato”, doutrina difundida por Edir Macedo, em que a pessoa usa um utensílio físico para aumentar a sua fé.
4. O investimento levantado para a construção do lugar exigirá um retorno deste recurso, a ênfase deste templo será a exploração financeira e o marketing  para a IURD. 
5. Não existe em toda a construção qualquer símbolo relacionado com o Novo Testamento, apenas com o Velho Testamento. A menorá, a arca da aliança, etc...Um retorno ou retrocesso à Lei.
______________________________________________________

CONCLUSÃO: Um velho adágio diz: "Por fora bela viola, por dentro pão bolorento" - Isso é o que significa para a fé cristã paulista este monumento à ignorância bíblica financiado pelas campanhas da IURD. É um retrocesso cristão, compreender que qualquer coisa neste templo está relacionado com Jesus de Nazaré, que pregou uma ética de justiça social, e de envolvimento com os necessitados em todas as áreas. A IURD não zomba apenas da fé judaica, como fez uma vez com a fé católica, (VEJA AQUI) mas principalmente com a fé evangélica, que não pode estar relacionada com este exibicionismo egocêntrico e grotesco de poder e força financeira. Se sobram ainda dúvidas, veja a quantidade de regras criadas para adentrar a mais nova mega igreja da Universal (VEJA AQUI)

E AGORA? MEUS PASTORES SE DIVORCIARAM!

Olhando o seu blog vi que o irmão comenta sobre vários assuntos e estou com uma grande dúvida? Meu pastores se divorciaram e cada um abriu uma igreja, estou na igreja da pastora hoje, mas gostaria de saber, independente das razões se isso está certo aos olhos de Deus? Pastores podem se divorciar e continuarem no ministério?
Caio XXXXXXX - Sorocaba/SP
___________________________________________________

Alguns pastores defendem que o divórcio é permitido pela Bíblia sob dois contextos: adultério do cônjuge ou abandono. Eu concordo que adultério e abandono são as razões mais óbvias para o divórcio. Entretanto, honestamente, nos dias de hoje, precisamos rever algumas questões. 

Precisamos lembrar que Jesus é muito duro em relação ao divórcio, pois os homens escolhiam conforme a conveniência a mulher que desejavam ou que os interessava por alguma razão, e sem nenhum amor, mas apenas baseados em interesses e negócios; e quando já não desejavam a esposa, apenas “repudiavam” a mulher. Cansando-se da mulher, sendo o homem um religioso, de preferência um fariseu, ele apenas a “repudiava” e a largava sem pai, sem mãe, especialmente naqueles dias, quando o amparo à mulher inexistia, pois o machismo era implacável. Desse modo, a “repudiada” se tornava inadequada, um ser imundo. Além disso tal fato fazia ainda com que aquele que com a “repudiada” viesse a casar-se, fosse também visto como um alguém em estado de adultério. 

É por isso que naquele contexto, cada homem que “repudiava” a sua mulher, a “expunha a tornar-se adúltera”. Portanto, o que Jesus faz é dar um grito de proteção ao desamparo ao qual a mulher era submetida pelo marido cheio de machismo banal e caprichos; os quais (os maridos), muitas vezes, trocavam de mulher alegando qualquer coisa, como “comida ruim” por exemplo. Na verdade Jesus moralizou a questão do divórcio estabelecendo parâmetros, não limites.

Penso que seus pastores devem ser tratados com respeito e compaixão, não com legalismo e impiedade. Afinal, ninguém casa querendo acabar o casamento. E mais: Jesus não deu esse papel interventor à “igreja”, nem aos crentes. Ele mesmo nunca se meteu em nada do gênero. Porém acredito que uma pessoa divorciada é uma pessoa fragilizada, e que, se neste caso fez do seu casamento uma performance e não um relacionamento, com certeza, tratará da mesma maneira o ministério. Lembre-se que a Bíblia usa a família para validar o ministério e não o contrário. Seus pastores precisam de ajuda, e não de uma nova igreja.

Pelo seu comentário não posso saber se há uma competição entre eles, ou se há amargura, que é o demônio psicológico que mais conhece o caminho do coração, especialmente nos relacionamentos conjugais. Mas uma coisa tenho certeza, você está no meio de um fogo cruzado. Não falo do ministério ou das igrejas, mas dos corações destes dois pastores. Que Deus os ajude a encontrar um caminho de cura e quem sabe de reconciliação, e que eles aprendam novamente a serem ovelhas do Bom Pastor, visto que não conseguem pastorearem a si mesmos. Quanto à você querido irmão, ore por eles, por você e pela sua igreja. Que o Nosso Senhor Jesus os guia por pastos verdejantes e águas mais tranquilas num futuro próximo.

Abraços sinceros.

Bruno dos Santos