O QUE DIFERE O CRISTIANISMO DE TODAS AS OUTRAS RELIGIÕES?

QUEM É VOCÊ QUANDO NINGUÉM VÊ?


Estamos condicionadas a valorizar o aparente, isto é, aquilo que não é o todo, que é em parte. E o que é em parte... deixa de ser plenamente. Um comportamento exemplar não é apenas quando estamos no meio das pessoas agindo corretamente. Uma vida com Cristo é fazer as coisas certas quando nenhum par de olhos estão sobre você. Quem é você quando ninguém vê?

NEM TUDO QUE É SAGRADO É DIVINO!

Ao pregar em minha comunidade sobre a Parábola do Bom Samaritano, me deparei com a perspectiva de que nem tudo que é Sagrado é Divino. Aprendi que o Divino acontece fora das paredes da religiosidade.
O Sagrado deriva do latim sacrum que está relacionado com a área em volta do templo. É algo que merece o mais profundo respeito. Nesta aspecto existem inúmeras coisas sagradas. Além de templos, objetos religiosos e conceitos existenciais supremos de moralidade, um time de futebol também pode ser sagrado, um final de semana de descanso também pode ser sagrado. A moradia de alguém ou mesmo um cômodo, pode ser um espaço sagrado. Estas experiências possuem um contorno religioso, um ambiente compatível, um certo ritual, uma certa liturgia, um misto de emoções e realidades interiores movidos pela assimilação com aquilo que temos profundo respeito e veneração, beirando inclusive a idolatria.
Apesar de saber que a subjetividade de cada experiência dá esse contorno religioso, o Sagrado, apesar de religioso, não é necessariamente divino.
O Divino não se adapta aos esquemas religiosos. O Divino é mistério, é vento, não ventilador. Não sofre o controle, nem a demanda dos homens. Não depende de ambientes preparados, nem de sistemas cúlticos. Está fora...lá fora!
O Divino pode estar no abraço de um pai, na alegria de uma criança, na conversa entre dois amigos, no choro de um doente acalentado por uma mão de afago. O Divino transcende a matéria, está além das percepções religiosas e mecânicas. O Divino é Espírito, que se percebe na interação dos relacionamentos verdadeiros.
São experiências irrepartíveis e inenarráveis, quando acontece ficamos profundamente tocados pela lição da experiência. Mudamos posturas, quebramos conceitos.

Jesus está muito além do conceito religioso do sagrado, Jesus é divino, tão divino, que humanizou-se e ensinou o homem que a maior prova da existência de Deus é a vida do homem que sem a experiência com o Divino, não é vida, apenas existência.